Me apaixonei no trabalho… e agora?

O que fazer quando a paixão acontece no trabalho?

A paixão traz mais alegria à vida e renova o espírito, não é mesmo? E essa explosão de sentimentos pode acontecer com qualquer pessoa e em qualquer lugar, até mesmo no local de trabalho. Ops! Se for no ambiente profissional, é melhor ir com calma. Afinal, pode ser que sua empresa não permita relacionamentos amorosos ou, mesmo que não haja proibição, será preciso tomar cuidado para o namoro não interferir em seu desempenho profissional.

A leitora Maria Clara*, de São Paulo, está passando por essa situação e enviou sua dúvida para a Motivação: “Estou namorando um colega de trabalho, mas não sei como proceder para que esse relacionamento não interfira de forma negativa em nossa motivação, produtividade e, consequentemente, desempenho profissional?”. Para ajudá-la, buscamos opiniões sobre o tema com especialistas e líderes de equipes. Também perguntamos aos assinantes da e-zine Motivaonline se já apaixonaram-se no trabalho e como lidaram com essa situação. Assim, recebemos muitas histórias que nos ajudaram a preparar um SOS Motivação especial sobre namoro no trabalho. Confira!


A opinião dos especialistas em carreira

Vivian Maerker Faria – Diretora da SEC Talentos Humanos e consultora em recrutamento e seleção

“A vantagem de namorar alguém dentro da empresa é que você fica mais motivada. Assim, irá cuidar da sua imagem e sentir-se autoconfiante, mas um detalhe é importante e exige autoconsciência: é preciso diferenciar quando uma decisão é baseada em sua carreira ou no que você está vivendo em sua vida pessoal. Não se concentre apenas no namorado, foque o equilíbrio e construa uma realidade que lhe permita continuar fazendo um bom trabalho, mesmo quando o relacionamento passar por fases difíceis.”
Visite o site: www.secth.com.br

Tânia Zarpelão – Consultora do Idort/SP, especialista em RH e atua com treinamento e desenvolvimento pessoal

“Aja com Inteligência Emocional, ou seja, filtre as informações negativas que chegam até você. Mantenha o ciúme distante! Ele é um inimigo cruel e, por isso, administrá-lo é fundamental. Tenha um diálogo maduro com seu par e não passe as frustrações da relação para o trabalho, procure separar os sentimentos – essa tarefa nem sempre é fácil, mas é possível, afinal, ser feliz no trabalho e na relação afetiva dará um equilíbrio poderoso para sua vida.”
Visite o site: www.idort.com
 


E o que os líderes de equipe pensam sobre isso?

Lucas Cavalcante – Gerente-comercial da Lemar Ink
“O melhor a fazer é aceitar e policiar esse relacionamento. Por isso, veja algumas dicas para aprender a equilibrar o nível de paixão no trabalho. Quando tiver alguma briga, evite qualquer atitude no ambiente de trabalho. Outro detalhe: amorzinho, tchutchinha e benzinho são mimos para serem usados fora da empresa. Não é necessário chamar atenção sobre a vida de vocês, permita que as pessoas saibam somente o que corresponde ao trabalho, ou seja, discrição é tudo!”

Ediney Giordani – Editor do Hagah, em Curitiba
“Não sou a favor desse tipo de relacionamento no ambiente de trabalho. Acho que os indivíduos não conseguem diferenciar o profissional do pessoal, acabam confundindo as coisas e deixam o trabalho de lado, o que, consequentemente, afeta o rendimento da equipe. Isso já aconteceu em uma outra empresa, e os envolvidos esqueciam de entregar relatórios ou deixavam de fazer suas tarefas simplesmente porque tinham algum envolvimento com a pessoa responsável. Por isso, sou contra o namoro no trabalho.”


Quem já se apaixonou no trabalho nos conta como foi a experiência

Iberê Ribeiro
“Casei com minha assistente e encaramos isso de maneira positiva. No entanto, minha cobrança em relação a ela aumentou, até para não surgir nenhum comentário. Por outro lado, a produtividade também aumentou. É muito bom irmos para o mesmo local de trabalho, compartilharmos as mesmas amizades, dificuldades, conquistas, enfim, uma sintonia perfeita.”

Elaine Di Stefano
“Trabalho na empresa há quatro anos e meio no departamento comercial, onde conheci o Rogério, meu marido. No começo, foi muito difícil, passamos seis meses sofrendo, pois achávamos que a direção não concordaria com esse relacionamento. Até que um dos donos descobriu e pediu discrição, ou seja, para que não ficássemos de ‘gracinhas’ dentro da instituição, mas disse que desejava toda a felicidade para nós! Enfim, estamos casados há um ano e seis meses, e o fato de trabalharmos juntos nunca interferiu. Por isso, sou a favor do namoro no trabalho e acredito que pode haver finais felizes assim como o meu!”

Conclusão – Depois de todos os relatos, percebemos que a paixão não tem hora nem dia para acontecer e pode sim surgir no ambiente de trabalho. A primeira medida a tomar é conversar com seu chefe e a direção da empresa para saber o posicionamento deles em relação ao assunto. Se o namoro for permitido, será necessário manter a discrição no local, tomar cuidado para não misturar questões pessoais com profissionais e conservar o bom desempenho em seu trabalho.

*A leitora optou por não se identificar, por isso preservamos sua identidade.

Colaboração: Cristiane Dias

Conteúdos Relacionados

Rolar para cima