Mentiras em Vendas

As melhores histórias sobre mentiras em vendas contadas por nossos leitores Você já deve ter ouvido alguém comentar algo do tipo: ?Ah… esse cara é um ?171??. Pois é. De tão difundido, o artigo do Código Penal Brasileiro que diz respeito ao estelionato já virou gíria, e é comum chamarmos de ?171? aqueles que mentem bastante ou enganam pessoas. Pensando nisso, na edição de número 171 da revista VendaMais, pedimos aos nossos leitores que lembrassem das maiores mentiras que já contaram para fechar uma venda e perguntamos a dois consultores se vale a pena mentir para atingir um resultado. Confira aqui as melhores histórias e a opinião dos especialistas.

Da Redação

OPINIÃO DO ESPECIALISTA ? ANA ARTIGAS

Não vale a pena mentir para conseguir fechar uma venda, pois se leva muito tempo para consertar a mentira e provavelmente aquela será a primeira e última venda feita para esse cliente. Vender não é enganar, e sim ajudar seu cliente a tomar a melhor decisão. Portanto, sou contra a mentira em vendas.

OPINIÃO DO ESPECIALISTA ? EUGÊNIO SALES DE QUEIROZ

Uma das coisas que mais enfatizo em meus treinamentos de vendas é que vendedor que mente para vender só vende uma única vez, pois, na certa, o cliente não volta a comprar. É o que diz o velho ditado: ?Mentira tem pernas curtas?. Por isso, sempre digo, perca a venda, mas não o cliente. Fale sempre a verdade custe o que custar. Afinal, é o seu nome e o da sua empresa que estão em jogo.

Sou operador de telemarketing e, numa ocasião difícil de vendas, tive a idéia de leiloar uma caminhonete, alegando que era um prêmio. Minhas vendas aumentaram bastante, mas meu patrão não ficou muito satisfeito, porque o automóvel era dele e, muitas vezes, os clientes entravam em contato para saber quando era o sorteio.
Ed Garcia

Minha maior mentira foi elaborada em 1984, quando eu trabalhava num consórcio de automóveis. Montei uma ficha proposta em que o cliente seria colocado em um ?grupo de investimento? se fechasse uma cota. Nesse ?grupo?, só existiam investidores de longo prazo que preferiam ter seus carros no fim do plano e que não davam lances para retirada. Mandei até fazer um carimbo de ?cota reservada?. Claro que isso não existia, mas, na verdade, foi meia mentira, pois a possibilidade sempre existe. Vai que na reunião não aprece ninguém e se retira o bem com um lance baixo. Omitir pode, às vezes, ser uma excelente estratégia. Mentir 100% jamais.
Pedro Haudenschild

Acredite se quiser, mas nunca contei mentiras para vender. No entanto, ouvi mentiras cabeludas dos clientes, isso sim já enfrentei milhares de vezes.
Eliane Borges da Silva

Eu era vendedora em uma loja de moletons que vivia cheia. Ao experimentar os conjuntos, alguns clientes falavam: ?Acho que ficou um pouco apertado?. E eu respondia: ?Não se preocupe, na primeira lavada sempre dá uma lasseada, aí vai ficar ótimo?. Outros diziam: ?Acho que ficou um pouco largo?. E eu respondia: ?Não se preocupe, pois na primeira lavada sempre dá uma encolhida, aí vai ficar ótimo?. E vendi muito assim.
Melissa Senne Pelhon

Trabalho com equipamentos para cerâmica e estava quase fechando uma venda importante. O cliente estava muito interessado nas inovações, mas sua grande preocupação era em relação ao desgaste da ferramenta. Estava na minha sala e tinha convidado um colega para participar da reunião. Depois de um tempo, chegou o momento da ilustração. Como a ferramenta é revestida por solda dura nas arestas para ser evitado o desgaste, falei que os produtos que vendíamos eram usados em muitos lugares, principalmente para soldar casco de navios. Isso saiu do nada! Na hora, tive de lembrar de algo resistente e isso me veio à mente. Meu colega quase caiu da cadeira e rapidamente ofereceu um café para poder rir fora da sala. O cliente ficou impressionado e se convenceu que de fato o produto era bom mesmo. Consegui a venda por causa dessa mentirinha.
Aguinaldo dos Santos

Há uns anos, eu era assistente do gerente de vendas de uma empresa metalúrgica. Certo dia, atendi a uma ligação de um cliente extremamente irritado, gritando e xingando muito, totalmente descontrolado. Estava tentando acalmá-lo, porque meu gerente não queria atendê-lo. Ele não perdeu tempo e me agrediu verbalmente com o famoso ?você também é uma filha da mãe?. Para não ser indelicada, respondi (séria e irritada): ?Caro senhor, concordo plenamente. A senhora minha mãe me colocou no mundo, me abandonou, nunca me deu um centavo para minha criação, não poderia ser chamada de outro nome a não ser de ?filha da mãe??. O silêncio imperou do outro lado da linha, o cliente não tinha reação. Continuei a conversa, no mesmo tom sereno: ?Mesmo assim, estou aqui para ajudá-lo. Do que o senhor precisa??. Confesso que naquele momento me senti o máximo! O cliente me pediu perdão pelo descontrole, resolvi o problema dele, passamos a ser o único fornecedor de sua empresa e ele ainda se tornou meu amigo. Claro que não tive coragem de dizer que a história da minha mãe era mentira, e ele também nunca perguntou, mas que tenho orgulho dessa mentira, ah isso eu tenho.
Alessandra Valeria

Conteúdos Relacionados

Rolar para cima