Mercado informal

Sem redução de impostos e campanhas a fim de modificar a cultura da informalidade, o Brasil arrastará seu enorme problema de crescimento. Para alguns empreendedores cujo negócio ainda se mantém na informalidade, o dilema ?ser ou não ser formal? causa preocupações e impede o crescimento das atividades exercidas. Para outros, contudo, o fato é bem claro e a preferência é a informalidade. Eles entendem que apenas sobrevivem, pois não encontram mais empregos que proporcione a eles as garantias de subsistência. Portanto, a causa é a lei da selva pós-moderna que abre caminhos comerciais alternativos, porém, cobra o seu preço.

Aquele que trabalha informalmente evita burocracia, carga tributária e encargos sociais. Todavia, é impedido de participar em concorrências, licitações públicas e abertura de crédito em instituições financeiras, além de não ter respaldo jurídico na proteção ao nome comercial e na divulgação e registro de marca. Em suma, pouco cresce e corre risco pertinente à condição.

Em uma enquete publicada no ano passado pela Folha Online, cuja pergunta foi: ?Na sua opinião, por que mais de 98% das pequenas empresas brasileiras optam por trabalhar no mercado informal??, 10% apontaram que a burocracia para abertura e regularização de uma empresa é muito grande. Outros 20% alegaram que as empresas não são lucrativas o suficiente para arcar com os custos de uma empresa formal. E a maioria, 70% dos votos, sinalizou que a carga de impostos sobre as empresas formais é muito alta. Esses resultados oferecem apenas uma noção, porém, reforçam alguns conceitos formados, fruto de experiência e observações de mercado.

Percebe-se, então, a necessidade de constante avaliação sobre a vida do negócio, observando cuidadosamente cada passo a ser dado conforme sua evolução. Ou seja, se a coisa vai bem e existe o desejo de crescer, vale a pena formalizar. Do contrário, a carga de impostos poderá impedir o fluxo e dificultar a vida financeira do empreendimento, levando-o a uma provável falência. Vale a pena lembrar que grossa parte dos negócios no Brasil diz respeito às atividades de micro e pequenas empresas. Por outro lado, deve-se considerar ainda o jogo de mercado sócio-político. Dele advêm normas e regras para o enquadramento, ainda que se considere a auto-regulação neoliberal de mercado.

Das ações políticas, ressaltam-se as influências causadas em função do que se produz e da sua comercialização interna e externa, articulação de taxa de juro, dívida, medidas de apoio de crédito, volume de imposto cobrado dos tipos de empreendimentos. Não bastassem tais fatores, existe ainda a dinâmica de mercado internacional com repercussões em todo o globo. É um caldeirão fumegante, cujos efeitos atingem a sociedade, impactando no preço de consumo dos produtos e serviços e, conseqüentemente, conforme a demanda, abrem-se vagas de trabalho ou não. E como já sabemos, na ausência de empregos, a escuridão ocasionada pela sobrevivência encontra luz na abertura de negócios, formais ou não.

De cima para baixo, com as ações de governo ou no sentido inverso na abertura e manutenção de negócios por parte da população empreendedora, existe um tremendo jogo acontecendo. Desrespeitar qualquer lado é dar um tiro no pé, pois a interdependência é vital. Encarar como uma disputa é atingir o todo do qual se faz parte.

O mercado informal é grande e por isso possui força. Este tipo de poder está canalizado em boa parte para a sobrevivência, reduzindo a força particular deles. Os altos impostos ? irreversíveis conforme acena o governo freqüentemente ? impedem a formalização e a sua contribuição legal. Uma parcela desse segmento informal não enxerga o próprio negócio como uma empresa, apenas como meio de sobrevivência. Todos perdem. O empreendedor formal arca com um peso mal distribuído. O informal que aspira a legalidade, mas não a efetiva, patina diante das chances de desenvolvimento. E há aquele que ainda não enxerga nem cá nem lá.

A questão, conforme se percebe, indica que sem intervenção através de redução de imposto e forte campanha a fim de modificar a cultura da informalidade, o Brasil arrastará o seu enorme problema de crescimento, geração de trabalho e ganho financeiro. O mercado informal persistirá. Embora seja uma discussão já conhecida, debatê-la é sempre uma forma de manter inquieta a tentativa de acomodação.

Conteúdos Relacionados

Dica número 1 de liderança em vendas

Volta e meia recebo perguntas como esta: “Raul, se você pudesse me dar só uma dica sobre como ser um gestor melhor, qual seria?”

Procuro evitar responder questionamentos como este porque eles costumam vir de alguém que está procurando um atalho ou uma pílula mágica, mas a verdade é que sempre existe mais de uma opção para resolver um problema ou desafio – por isso mesmo, buscar uma única ferramenta milagrosa raramente traz os melhores resultados.

Continuar lendo
Rolar para cima