Motivação: a força do pensamento

Não se motiva ninguém que não queira estar motivado. É o que está no seu pensamento que o faz agir. Estava andando pela rua quando um rapaz que vinha pela calçada resolveu mudar seu rumo, desviou de uma escada e caiu em um bueiro. Até que foi engraçado. Questionado sobre o ocorrido, ele disse que era supersticioso e não passaria em hipótese alguma por baixo de uma escada. Resultado: fratura em uma perna, vários arranhões, não pôde ir trabalhar, etc.

Relato essa história porque existe uma discussão no mercado profissional referente à motivação dos colaboradores das empresas, parecendo que o caminho é fazer rir e brincar para esquecer o dia-a-dia. Entretanto, após alguns dias a euforia acaba e as mudanças não acontecem.

Não sou contra temas motivacionais, mas sim a favor da discussão do assunto com os próprios colaboradores da empresa. O que mais os motiva, o que os impulsiona para buscarem melhores resultados e procedimentos: salário? Promoção? Trabalhar em uma grande empresa? Poder escolher os colegas? Ter um líder altamente profissional? Afinal, o que os motiva? Uma vez fomos contratados para criar um PPR (Programa de Participação de Resultados) como instrumento de melhoria da qualidade, produtividade e assiduidade em uma empresa do sul do Estado de Santa Catarina, porém aprendemos uma grande lição: seus profissionais acreditavam que seria bom, mas naquele momento não estavam empenhados nas discussões dos detalhes de funcionamento do programa e afirmaram que o resultado motivacional seria mais imediato e positivo se os relacionamentos entre direção, líderes e liderados melhorassem.

Havia um ano que o diretor máximo da empresa não era visto nas reuniões decisivas e alguns colaboradores nem o conheciam. 160 funcionários foram unânimes em dizer que a distância entre quem decide e quem executa era a maior razão da desmotivação, visto que ninguém pergunta nada apenas manda fazer e, muitas vezes, não conhece como funciona o dia-a-dia de cada função. Esse era o grande motivo do pouco rendimento e participação dos colaboradores. Mudamos o foco da gestão, priorizando o relacionamento, depois discutimos com os colaboradores e foi um sucesso.

Por que do título? Porque aprendi que não se motiva ninguém que não queira ser motivado, pois é o que está no seu pensamento que o faz agir. Coisas boas atraem coisas boas; quem deseja estar motivado, motiva as outras pessoas e se deixa motivar por elas. Por isso, em minhas palestras procuro mostrar que a vida tem rosas e espinhos. É óbvio, mas, por ser assim, as pessoas deixam a beleza de lado e acabam percebendo só os espinhos. Os maiores exemplos de motivação vêm justamente do aprendizado, superação das dificuldades, relacionamentos difíceis e a falta de resultados.

Mas como alguém pode ter sucesso se, ao sair de casa, insiste em pensar: ?Que dia chato, tá chovendo, o trânsito deve estar congestionado, não vai ninguém na loja hoje?. Está no pensamento! Você pode escolher, então por que não ver e pensar no lado bom: ?A chuva faz bem, o trânsito é um bom sinal de poder aquisitivo, atenderei muito bem os clientes que irão à loja hoje, minha empresa é importante e estarei lá para fazer o sucesso dela?. Reflita: um dia uma criança reclamou com os pais porque havia ganhado um tênis de uma marca enquanto ela queria de outra sem, ao menos, perceber que do outro lado havia uma criança feliz por ter um chinelo feito de garrafas pet.

Conteúdos Relacionados

Rolar para cima