Negociar de boca cheia?

Negociar de boca cheia? COMPORTAMENTO
Negociar de boca cheia? Quando não se pode evitar um jantar ou almoço de negócios, é preciso ter sutileza para que o momento seja agradável a todos os envolvidos

Por Adriane Werner

Almoços ou jantares de negócios, muitas vezes, são inevitáveis na vida do vendedor. Há ocasiões, em que só podemos interagir com o cliente com pouco tempo e certa descontração durante as refeições. No entanto, o fato é que esse horário não é o ideal para negociações.

Quando me perguntam sobre a conveniência ou não de encontros de negócios regado a refeições completas, lembro de meu pai ralhando comigo e meus irmãos quando nos reuníamos em volta de uma grande mesa para almoçar ou jantar: ?A mesa de refeição não é lugar para brincadeiras ou bagunça. É local de confraternização e união?.

O mesmo raciocínio podemos trazer para o mundo dos negócios. O momento da refeição, em situações ideais, deveria ser de introspecção e intimidade com os mais próximos. Embora saibamos que, hoje em dia, isso é completamente impossível, deveríamos tentar resgatar pelo menos a possibilidade de se ?desligar? dos assuntos sérios dos negócios na hora de comer. Se isso também não for possível, temos de fazer de tudo para que o encontro seja o menos sisudo e o mais agradável que conseguirmos. Para isso, alguns detalhes devem ser considerados.

» Escolha do restaurante ? Evitar comidas típicas ou outras que possam causar repulsa no convidado. Procurar lugares discretos, com pouco barulho, para poder conversar.

» Discrição ? Evitar bebidas alcoólicas. Chamar o garçom de forma discreta e profissional (sem intimidades, brincadeiras inadequadas, etc.). O anfitrião deve pagar a conta, mas deve pedi-la de forma bastante sutil e, de preferência, fazer o pagamento longe da mesa e do convidado.

» Hora certa ? Tratar de negócios o tempo todo é inconveniente, porém falar futilidades ou querer entrar na intimidade do convidado também pode soar muito mal. Portanto, o ideal é introduzir a conversa com assuntos amenos, levá-la com simpatia durante toda a refeição e deixar para tratar efetivamente de negócios somente na hora do cafezinho. Assuntos como dinheiro e saúde ainda são tabus à mesa, por isso, falar de negócios exige sutileza e sabedoria.

Adriane Werner é jornalista, especialista em Planejamento e Qualidade em Comunicação e mestre em Administração Estratégica. É palestrante nas áreas de Oratória, Media Training e Etiqueta Profissional.
Visite o site: www.adrianewerner.com.br
E-mail: [email protected]


DINÂMICA DE GRUPO

Histórias de sucesso

Você pode usar histórias de sucesso para promover a motivação e o entusiasmo de sua equipe de vendas. Veja como é fácil.

1º passo ? Crie um slogan ? algo do tipo ?vendedor de sucesso? ou outro. Divulgue na força de vendas e diga aos vendedores que pensem numa história de sucesso em que utilizaram a criatividade e a perspicácia para vender.

2º passo ? Reúna sua equipe e lance o desafio interno: ?Quem entre nós tem a melhor história de sucesso em vendas??.

3º passo ? Estimule e motive todos a participarem, contando e descrevendo sua melhor história.

4º passo ? Estabeleça um prazo para que eles possam escrever detalhadamente e com criatividade cada relato (15, 30 dias, etc.).

5º passo ? Explique como será escolhida a melhor história, os critérios básicos que serão usados, por exemplo: técnica de vendas, motivação, criatividade, perspicácia, etc.

6º passo ? Todos deverão apresentar individualmente sua história para o grupo. Para isso, realize uma nova reunião ou quantas forem necessárias.

7º passo ? Delegue ao grupo a responsabilidade de escolher a melhor história. Todos deverão votar, escolhendo uma que não seja a sua, e sim a que, na opinião geral, seja realmente a melhor.

8º passo ? Institua um prêmio para a melhor história e deixe-a no mural durante um período estipulado ou publique-a no jornal da empresa.

Caso parte de sua equipe de vendas, ou toda ela, esteja dispersa em regiões distantes, confira o que fazer:

» Divulgue da mesma forma a atividade via e-mail, fax ou carta.
» Estimule e motive todos a participarem, contando a melhor história e remetendo-a para você.
» Eleja você, segundo seus critérios, a melhor história e envie-a para a equipe com uma carta de felicitações ao vencedor.

Resultados positivos desta dinâmica:

» Haverá boa motivação da força de vendas.
» As histórias poderão ser utilizadas como excelente ferramenta de treinamento.
» Você promoverá debate e reflexão sobre assuntos importantes do dia-a-dia.
» Existirá uma grande troca de experiência e, conseqüentemente, todos sairão ganhando com os bons exemplos citados.

Para saber mais
Visite o site:
www.cpvendas.com.br


LIVROS

Acredite em Você e Vá em Frente
Richard Branson

Neste livro inspirador, você vai conhecer os segredos do sucesso de Branson. O autor nos conta como construiu sua fortuna por meio da crença em si e seguindo o que ele denomina ?o instinto do vencedor? ? criando e aceitando desafios, aproveitando as oportunidades sem hesitação e sempre buscando prazer no que faz.
Editora: Sá Editora
Preço: R$ 27,90*

Con-viver em Equipe
Gustavo e Magdalena Boog

Nesta obra, dois consagrados autores apresentam as dimensões profissionais e pessoais para conviver em equipe de forma prática e completa. O livro tem linguagem de fácil entendimento e mostra como desenvolver técnicas facilitadoras para uma perfeita interação com pessoas em equipes ? um dos grandes desafios de hoje.
Editora: M. Books
Preço: R$ 39,00*

Foco no Varejo ? As mais recentes inovações em lojas no Brasil e no mundo
Gouvêa de Souza e Ebeltoft Group

Essa obra é uma importante aliada para varejistas e gestores se diferenciarem da concorrência. Ela mostra como empresas inovadoras têm assimilado as principais tendências mundiais e traduzido esses movimentos para suas realidades com resultados interessantes não apenas financeiramente, mas também se diferenciando da concorrência na percepção dos consumidores. Editora: Gouvêa de Souza
Preço: R$ 49,00*

*Preços e disponibilidade pesquisados em outubro/2008


HUMOR

O empregado ?esperto?

O patrão comprou uma ração nova para os bois.

No primeiro dia, ele pergunta ao empregado:
? Eles comeram?
? Não senhor.

No segundo dia, o patrão pergunta novamente para o empregado:
? Eles comeram? ? e a resposta:
? Não senhor.

Aí, no terceiro dia, o patrão, irritado, diz:
? Não pode ser! Como é que eles não comem?! Será que a ração é de péssima qualidade?

Então, o empregado responde:
? Ô patrão, claro que não. É muito simples: eu não dou a comida para eles.

Fonte: www.piadasepiadas.com.br


NÃO COMPLIQUE O QUE É SIMPLES

Marketing mix
Por Professora Aurélia

Certa vez, um amigo vendedor me contou que ouviu, numa conversa entre seus colegas, sobre um tal de marketing mix. E ficou todo curioso tentando imaginar que ?bicho? era esse. É muito simples.

Marketing mix é o mesmo que o famoso composto de marketing. Ele é formado por um conjunto de variáveis controláveis que influenciam a maneira com que os consumidores respondem ao mercado. Trata do conjunto de pontos de interesse, aos quais as organizações devem estar atentas se desejam perseguir seus objetivos de marketing.

Esse composto é dividido em quatro seções denominadas 4 Ps (lembrou agora?). Elas são: Produto, Preço, Praça (distribuição) e Promoção, que são formas de influências sobre os canais de comercialização e dos consumidores finais, que correspondem aos 4 Cs do cliente.

1. Produto: tudo o que se refere ao produto ou serviço em si, como formulação física, características, produção, qualidade, marca, design, embalagem, etc.

2. Preço: política de preços, descontos, formas e prazos de pagamento.

3. Praça (distribuição): tarefas necessárias para apresentar o produto ou serviço ao consumidor para que ele possa comprá-lo e consumi-lo, canais de distribuição, cobertura, variedades, locais, estoque, transporte e outros.

4. Promoção: todas as tarefas de comunicação que visam promover o consumo do produto ou serviço, promoção de vendas, publicidade, força de vendas, relações públicas, marketing direto, etc.

Resumindo:
Marketing mix

Conjunto de estratégias para adequação da produção e oferta de mercadorias ou serviços às preferências dos consumidores.

Caro vendedor, pensando nas dúvidas que possam surgir durante seus treinamentos com a revista VendaMais, nossa equipe desenvolveu um glossário de estrangeirismos. Acesse o portal www.vendamais.com.br e aproveite para atualizar seus conhecimentos com os novos termos de negócios.


DICAS DE PORTUGUÊS

Não confunda
Por Cione dos Santos

Pego ou pegado?

Pego: prefira usá-lo depois dos verbos ser e estar, por exemplo: Ele foi pego em flagrante.

Pegado: utilize-o depois dos verbos ter e haver, por exemplo: Ele tinha ou havia pegado os documentos.

Conteúdos Relacionados

Dica número 1 de liderança em vendas

Volta e meia recebo perguntas como esta: “Raul, se você pudesse me dar só uma dica sobre como ser um gestor melhor, qual seria?”

Procuro evitar responder questionamentos como este porque eles costumam vir de alguém que está procurando um atalho ou uma pílula mágica, mas a verdade é que sempre existe mais de uma opção para resolver um problema ou desafio – por isso mesmo, buscar uma única ferramenta milagrosa raramente traz os melhores resultados.

Continuar lendo
Rolar para cima