Ninguém merece!

Existem estabelecimentos que agem com total descaso e descomprometimento para com os clientes. Uma professora da área de gestão me escreveu dizendo que é leitora dos meus artigos sobre atendimento ao cliente e afirma que eles são ?muito úteis?. Em vista dos exemplos citados, ela diz que toma a liberdade de enviar-me um caso recente. Claro que ela, como todos os meus leitores, tem essa liberdade e suas sugestões, idéias e relatos são sempre bem-vindos.

A leitora Zenilda explica que desejava comer rabanada, por isso se dirigiu a uma padaria perto de sua casa, onde pediu duas para viagem. As rabanadas vieram dentro de um saco de papel, mal embrulhadas em um plástico. Dá para imaginar a sua surpresa e frustração, daquelas que tiram qualquer um do sério e estraga todo e qualquer prazer que porventura a pessoa teria se tivesse se planejado para a tão desejada refeição.

Olhando espantada para a mancha de gordura já visível, ela perguntou à pessoa que lhe atendeu se, pelo menos, não haveria um saco plástico; e foi o que recebeu. Nada de bandeja de isopor ou uma embalagem decente. Existem estabelecimentos que agem com total descaso e descomprometimento com os clientes, sem perceber que o tempo se encarrega, nesses casos, de fazer escassear os fregueses, fazendo-os vivenciar uma decadência visível, muitas vezes até a falência. Tudo isso porque os clientes procuram os lugares em que são bem atendidos e se sentem confortáveis.

Esse estado de descaso já era visível naquela padaria. Nossa leitora conta que a pessoa que lhe atendeu não era a encarregada do serviço de balcão, mas uma mulher do caixa. Ela tinha ido ajudar ao encarregado do serviço, que estava ocupado com o empacotamento de outras rabanadas em uma bandeja de isopor para outro cliente. Ou seja, um tratamento diferenciado na venda do mesmo produto para dois clientes no mesmo local e hora.

A vontade da nossa leitora era tanta que considerou-se atendida com a colocação das rabanadas no saco plástico. Finalizada a “ajuda”, a mulher voltou para o caixa. As condições de higiene eram comprometidas pela falta de cuidado, atenção e normas na padaria. Para ter uma idéia, ela diz que não sabe por que, ?mas as benditas quase tinham gosto de dinheiro?.

O estrago estava feito. As rabanadas não estavam destinadas a satisfazer o desejo e o paladar da professora. Depois de tantos percalços, ela revela que no final ?estavam enjoativas pelo excesso de açúcar!?. A reação mais forte que conseguiu esboçar veio da lembrança dos seus alunos adolescentes: “Ninguém merece!”.

Casos como esses estragam o prazer da pessoa, mas não é incomum encontrarmos essa falta de sensibilidade nos estabelecimentos comerciais:

&raquo Ninguém merece comida mal embrulhada.
&raquo A surpresa ruim e a frustração estragam o prazer da refeição.
&raquo Descaso e descomprometimento afastam os clientes.
&raquo Os clientes procuram os lugares em que são bem atendidos e sentem-se confortáveis.
&raquo Atendimento diferenciado para dois clientes no mesmo local e hora é absurdo.

Conteúdos Relacionados

Dica número 1 de liderança em vendas

Volta e meia recebo perguntas como esta: “Raul, se você pudesse me dar só uma dica sobre como ser um gestor melhor, qual seria?”

Procuro evitar responder questionamentos como este porque eles costumam vir de alguém que está procurando um atalho ou uma pílula mágica, mas a verdade é que sempre existe mais de uma opção para resolver um problema ou desafio – por isso mesmo, buscar uma única ferramenta milagrosa raramente traz os melhores resultados.

Continuar lendo
Rolar para cima