No tom certo

A voz é um instrumento importantíssimo para a realização da comunicação. Igualmente, o tom e o volume adequados deveriam ser motivos de preocupação constante no ato da fala. Uma voz sem timbre, descolorida, desanimada, não provoca emoção alguma. Uma voz vibrante e modulada atrai e desperta mais atenção dos ouvintes. É preciso também tomar alguns cuidados com a voz:

  1. Evite pigarrear. Cuidado! Esse pequeno e prejudicial hábito poderá levá-lo a arranhar as cordas vocais e causar-lhe danos (algumas vezes irreversíveis).
  2. Evite berrar, gritar. Não force a garganta. Você fica rouco e, com o passar do tempo, pode desenvolver calos nas cordas vocais.
  3. Não procure tomar remédio para a rouquidão. O melhor tratamento e ainda mais natural: ficar em silêncio, dando descanso para as cordas vocais.
  4. Se você é fumante e tem uma apresentação a fazer: pare de fumar algumas horas antes. Além de ficar pigarreando, você terá sua voz modificada devido ao aumento de muco causado pelo cigarro.
  5. Não acredite que o álcool vai aquecer sua garganta, fazer sua voz ficar mais clara ou fazer você ficar mais descontraído. Isso não foi cientificamente provado. Entretanto, alguns apresentadores já mostraram, devido ao efeito do álcool, que podem expor-se ao ridículo e, mais tarde, nem se lembrar do que aconteceu.

Fonte: Comunicação Verbal, de Albertina Silva Froldi e Helen Froldi O?Neal (Editora Pioneira) Professora Cione explica O adjetivo anexo! Adjetivo significa “junto”, “ligado”, “contíguo”. Portanto, deve variar em gênero e número, concordando com o substantivo a que se refere. Por exemplo:

  • A foto segue anexa à carta.
  • Seguem anexos os arquivos solicitados.
  • Anexos seguem os relatórios.

Apesar de muito comum, na linguagem comercial, a expressão “em anexo” deve ser evitada, pois, “anexo” é um adjetivo, e não um advérbio.

Boa sorte e bom mês! “A língua é única ferramenta que fica mais afiada com o uso” – Washington Irving

Conteúdos Relacionados

Rolar para cima