O que o dinheiro não pode comprar?

Tem gente que tem como foco profissional claro e evidente o ?ganhar dinheiro?. Outros têm como objetivo de vida o ?ficar rico?. Para essas pessoas, dinheiro não é conseqüência, é fim. É motor motivacional e condição para que as atividades sejam realizadas. Para elas, dinheiro é realmente moeda de troca. Dá-se trabalho e recebe-se dinheiro. Tem gente que tem como foco profissional claro e evidente o ?ganhar dinheiro?. Outros têm como objetivo de vida o ?ficar rico?. Para essas pessoas, dinheiro não é conseqüência, é fim. É motor motivacional e condição para que as atividades sejam realizadas. Para elas, dinheiro é realmente moeda de troca. Dá-se trabalho e recebe-se dinheiro.

Antes de julgar essas pessoas mercenárias e coisas do gênero, você já parou para pensar que esse tipo de atitude pode ser legítima? Qual o problema de alguém que decide estabelecer que seu objeto mais valioso é o dinheiro e sua recompensa mais justificadora é a financeira? Você pode até não aceitar, alegar que é mesquinhez e empobrecimento da grandeza humana, mas não pode dizer que não é uma atitude legítima. Se essa pessoa usa de meios legais, lícitos e éticos para agir e pensar assim, não há razão para condená-la. Agora, o problema é conseguir manter uma postura ilibada e moral enquanto se persegue o vil metal através do trabalho. Simplesmente pelo fato que este vil metal é vil (reles, ordinário, que inspira desprezo, não tem dignidade, infame – Houaiss).

Obsessão – Entenda! Junto com a obsessão pelo dinheiro, é comum as pessoas desenvolverem outros sentimentos e obsessões como pelo poder, fama, status e outros abjetos mais. É aí que reside o problema. Não é à toa que o apóstolo Paulo diz, na Bíblia, que ?os que querem ficar ricos caem em tentação e cilada, e em muitas concupiscências insensatas e perniciosas, as quais afogam os homens em ruína e perdição? (1 Tm 6:9, grifo meu). Gosto do ?afogam?, porque nos dá aquela imagem de que alguém até tenta vir à tona, mas existe algo mais pesado que lhe puxa para baixo.

Armadilha – Dificilmente alguém que reduz sua motivação à conquista financeira consegue escapar dessa armadilha. É difícil encontrar alguém que lute por dinheiro e diga: ?basta, já é o suficiente!? E é fácil entender. Quanto mais se usa o que se ganha, mais se perde. Ou seja, diferentemente de outros ativos intangíveis como prestígio, reconhecimento, realização, quanto mais se usa o dinheiro, menos se tem. E essa é uma sensação horrível para aqueles que trabalham para ver a sacola cada vez mais cheia.

Valores – Por outro lado, aqueles que buscam no trabalho os valores e ativos intangíveis, exatamente os que o dinheiro não consegue comprar, como respeito, altruísmo, solidariedade, serviço, dedicação, conseguem viver mais harmonicamente e em equilíbrio, pois quando conquistam estes predicados, não têm que se preocupar em vê-los se esvair no instante em que são usados. Ou seja, quanto mais se usa estas qualidades, mais elas se multiplicam em quem as usa.

Em síntese, é fato que o dinheiro só compra o que se vê e se pega. Não consigo lembrar de algum sentimento positivo e duradouro que possa ser adquirido através da troca monetária. O que o dinheiro consegue comprar está sempre suscetível a se corroer, a se esvair. Lembra da felicidade inicial pelo carro novo, e que agora se transformou em uma apatia e indiferença, da qual todos os bens materiais deveriam ser merecedores? Pois é! Pense bem, quanto dinheiro foi necessário para que você conquistasse o privilégio de ser tão querido e desejado pelos que hoje te amam? Nenhum. Então, use o dinheiro para te trazer algum conforto e estabilidade. Mas use o amor para ser incondicionalmente alegre e realizado. É de graça, mas tem um valor inestimável.

Paulo Angelim é palestrante nacional em marketing, vendas e motivação, e autor de quatro livros ? www.pauloangelim.com.br ?Oh! Se os ricos fossem tão ricos como os pobres imaginam!? Emerson

Conteúdos Relacionados

Dica número 1 de liderança em vendas

Volta e meia recebo perguntas como esta: “Raul, se você pudesse me dar só uma dica sobre como ser um gestor melhor, qual seria?”

Procuro evitar responder questionamentos como este porque eles costumam vir de alguém que está procurando um atalho ou uma pílula mágica, mas a verdade é que sempre existe mais de uma opção para resolver um problema ou desafio – por isso mesmo, buscar uma única ferramenta milagrosa raramente traz os melhores resultados.

Continuar lendo
Rolar para cima