O sucesso está no simples

Ele foi garçom de restaurante mexicano, trabalhou em siderúrgica como cortador de placas de aço, foi segurança de edifícios e até vendeu chocolates fantasiado de M&M. Tudo isso para realizar o sonho de ser escritor.

Simplicidade, poesia e humor. Esta parece a fórmula mágica para qualquer pessoa alcançar o sucesso na vida. Você pode estar pensando que se fosse fácil, todos alcançariam, não é mesmo? Por outro lado, se fosse muito difícil ninguém chegaria lá. Adicione então um pouquinho de persistência, amor e verdade, tentando equilibrar tudo isso dentro de você. Nada aconteceu? Por um acaso você se lembrou que paciência é uma das virtudes mais importantes dos seres humanos?

Bradley Trevor Greive passou boa parte de sua vida acumulando cicatrizes e tentando se libertar dos medos e rejeições do dia-a-dia. Nascido na Tasmânia, mudou-se para a Austrália com os pais aos 10 anos, e nunca mais parou de aventurar-se pelo mundo. Foi oficial da aeronáutica e pára-quedista da Academia Militar de Duntroon, Austrália, época em que teve a oportunidade de viajar pelo mundo todo (viveu na Inglaterra, Singapura, Escócia e Hong Kong), superar o medo horrível de altura e ampliar muito cedo sua convivência sobre a natureza humana.

Uma infecção nos pulmões o obrigou a abandonar as forças armadas aos 22 anos, quando já lutava pelo seu sonho e precisava trabalhar muito durante o dia para dedicar-se à literatura à noite. Seu primeiro livro foi rejeitado nove vezes, antes de estourar em vendas em mais de 35 países (só no Brasil foram mais de 1,5 milhão de livros vendidos). Para Bradley, a rejeição muitas vezes pode ser a chave do sucesso, só depende de como você lida com ela.

Antídoto para o pessimismo

Cansado das rejeições, Bradley resolveu mudar e transformou a paixão pelos animais em ferramenta literária com textos curtos, que escreve para si mesmo e que mostram o lado positivo da vida e das pessoas que nos rodeiam. Nascia uma nova forma de tocar em assuntos sérios de maneira diferente da que as pessoas já estão cansadas de ver. “A vida é muita curta, precisamos decidir o que queremos dela para não perdermos tempo com outras coisas. Todos os dias surgem novas oportunidades de perseguirmos nossos sonhos. Só precisamos ir atrás delas”, afirma o autor ao longo de seus 34 anos.

Em todos os seus livros, Bradley aborda questões para fazer a vida valer a pena. Ele acredita que a felicidade é o que mais há para se buscar no mundo e revela que só vai atrás das coisas que o fazem feliz.

A natureza como fonte de inspiração

Tudo o que é criativo vem da Terra. Para Bradley, a natureza é a maior fonte de inspiração para todos os tipos de cultura. “Trabalhando com vários livros fui descobrindo naturalmente que eu estava indo por um caminho, fazendo coisas que eu gosto, e não era pensando no sucesso, nada foi planejado”. Em cada novo livro o autor aprendeu mais sobre si mesmo e como dividir suas descobertas com as outras pessoas. “Eu tenho uma grande paixão pela natureza e cada vez que descubro uma coisa nova, é como se estivesse encontrando pedaços de mim que não conhecia. Eu não posso imaginar um sem o outro”.

Humor ou Filosofia?

Um Dia “Daqueles” (primeiro grande sucesso e best-seller mundial) foi um livro escrito para ele mesmo num dia de baixo astral. Não foi a toa que o título mudou a sua vida e a de muitas outras pessoas no mundo. “O fato de outras pessoas terem gostado como eu gostei, me deixa muito feliz”, afirma o autor. “É realmente um bônus por que não era o que estava buscando primeiramente, foi um complemento. Recebo muitos elogios que eu não mereço, em relação em ajudar as pessoas”, explica Bradley, enfatizando que não se enquadra na lista dos gurus de auto-ajuda das prateleiras das livrarias. “Tudo o que eu faço é mostrar o lado das pessoas que elas não conhecem e o resto das transformações fica por conta delas mesmas”, afirma.

A rejeição e suas variáveis

Acostumado a conviver com riscos por causa do exército, Bradley acredita que suas experiências o deixaram mais preparado para trabalhar com as objeções e rejeições pelas quais já passou e ainda passa até hoje. “Tinha um ditado na divisão de pára-quedistas que dizia que se você fosse morrer, era melhor morrer parecendo que estava bem”.

Falando sobre medo, Bradley afirma: “Eu queria vencer o medo de altura. Mas isso é relativo. Muita gente acha que é mais fácil saltar de pára-quedas do que falar na frente de outras pessoas. As pessoas têm mais medo da humilhação pública do que da morte. Na verdade, eu acho que o maior medo das pessoas é a rejeição”.

Ao mesmo tempo, sobre o quesito superação, sua experiência pessoal diz tudo: “Quando eu pulava do avião, para mim era uma experiência terrível, o que fez com que eu acreditasse nisso era poder passar para a unidade especial e não ser atordoado por esse medo, conseguindo vencê-lo”. “Quando falamos em conseqüências, temos que se você pular de pára-quedas pode quebrar uma perna, mas se você quebrar o coração, parti-lo, poderá ser muito pior, muito mais arriscado”, completa o autor.

Em busca do equilíbrio

Ao contrário da maioria dos seres humanos, Bradley acredita que o equilíbrio das pessoas está justamente na falta de equilíbrio entre as tensões da vida de cada um. “Eu não tento conciliar as coisas, acho que ter essa tensão é natural”. O autor acrescenta que uma das coisas que o ajudam é procurar conhecer os seus medos, contar com as suas forças e tentar sempre estar com os amigos, com as pessoas que gosta, para com isso tentar superar os problemas. “O segredo é poder contar com as pessoas”, afirma.

O preço de cada sonho

“Você pode fazer de tudo por um sonho desde que tudo seja verdadeiro”. Bradley acredita que alguns sonhos podem se tornar pesadelos e por isso você tem que saber exatamente quais são os méritos daquilo que busca. Ele alerta para o perigo de viver a vida pensando muito à frente. “Isso pode ser perigoso, você parar sua vida presente por uma coisa que pode acontecer”. O amanhã é uma aventura em um mundo de incertezas.

O sucesso e a motivação humana

Bradley reconhece que gosta de aparecer em capa de revista, que gosta das coisas que são relacionadas com o sucesso, mas ressalta que essa não é a motivação principal do seu trabalho. “Eu amo meu trabalho. Quando você deixa de lado as motivações humanas o que sobra é a paixão para fazer as coisas que ama. Você recebe o prêmio por esse trabalho, a fama, o dinheiro extra é bom, mas se nada disso acontecer também é bom pois você fez aquilo que gosta”. Ele explica que quando a motivação é a fama e o dinheiro e a pessoa não os consegue, no fim acaba ficando sem nada. “Se você tem o prazer de fazer, pode ser que tenha fama e fortuna, mas se você não tiver a fama e a fortuna, você continua tendo a paixão”.

As questões mais difíceis têm as respostas mais simples

Para concluir, Bradley assegura que nas coisas mais simples da vida estão as respostas para os maiores conflitos, tanto internos quanto externos. O autor sempre acreditou que as grandes questões do mundo e perguntas são sempre simples. Para ele, a essência da genialidade é pegar uma coisa complexa e transformá-la em algo simples, nunca o contrário. “E essa é a minha motivação: buscar sempre a essência daquilo que se quer. Isso está em todas as facetas da vida, na cultura, na natureza. A resposta sempre está no coração”, finaliza.

10 dicas para levantar o seu astral

Não espere ter “um dia daqueles” para lembrar-se das dicas sugeridas a seguir. Se elas funcionaram bem para Bradley Trevor, porque não podem funcionar melhor ainda para você?

  1. Vá atrás das oportunidades que o levem a alcançar os seus sonhos. Elas surgem todos os dias.
  2. Felicidade é o que mais há para se buscar no mundo. Busque as coisas que o fazem feliz.
  3. Procure conhecer os seus medos, contar com as suas forças e tentar sempre estar com os amigos, com as pessoas que gosta, para com isso tentar superar os problemas.
  4. Dê um passo a frente e acredite, independente do que isso possa acarretar. Não é questão de fingir para si mesmo que está com coragem e sim de achar essa força dentro de você mesmo.
  5. Faça de tudo por um sonho desde que tudo seja verdadeiro. É preciso saber exatamente quais são os méritos daquilo que busca.
  6. O equilíbrio das pessoas está justamente na falta de equilíbrio entre as tensões da vida de cada um.
  7. Seja honesto consigo mesmo e faça algo que você realmente goste, não ignore suas vaidades.
  8. Lembre-se que no final do dia não interessa o quanto preparado você está, mas se uma porta se abre você tem a escolha de entrar ou não.
  9. Nas coisas mais simples da vida estão as respostas para os maiores conflitos, tanto internos quanto externos.
  10. Viva o presente sem se preocupar com o amanhã. Curta cada momento como se ele fosse o último. O amanhã é uma aventura em um mundo de incertezas.

“Faça o que você ama. É assim que muda o mundo”

“A motivação para escrever não veio pelo fato de saber as respostas, mas sim porque eu estava em busca delas”

“Cuidado com aquilo que você deseja pois pode se tornar realidade”

Para Saber Mais: Bradley Trevor Greive é autor dos livros Um dia “daqueles”; Querida Mamãe, Obrigado por Tudo; O Sentido da Vida; Em Busca do Príncipe Encantado; A Incrível Verdade Sobre as Mães; Preciosidades e O Amanhã (Editora Sextante).

Agradecimentos especiais à Editora Sextante (www.sextante.com.br) e Livrarias Curitiba (www.livrariascuritiba.com.br) que nos proporcionaram uma entrevista exclusiva com autor em sua recente passagem pelo Brasil para o lançamento do livro O Amanhã e a edição de bolso do best-seller Um Dia “Daqueles”.

Conteúdos Relacionados

Dica número 1 de liderança em vendas

Volta e meia recebo perguntas como esta: “Raul, se você pudesse me dar só uma dica sobre como ser um gestor melhor, qual seria?”

Procuro evitar responder questionamentos como este porque eles costumam vir de alguém que está procurando um atalho ou uma pílula mágica, mas a verdade é que sempre existe mais de uma opção para resolver um problema ou desafio – por isso mesmo, buscar uma única ferramenta milagrosa raramente traz os melhores resultados.

Continuar lendo
Rolar para cima