Outplacement – Estratégia e transformação corporativa

O momento da demissão pode ser difícil tanto para o demitido quanto para quem o demite. As empresas de outplacement (recolocação) podem facilitar a superação desse processo.

A única certeza no mundo dos negócios é a mudança permanente. Frente a essa realidade, quando nos deparamos com o momento da transição de carreira, é preciso buscar estratégias para os profissionais, de forma individual, realizando planejamentos de carreira, a fim de buscar as metas desejadas a serem alcançadas, confiando menos na sorte ou no destino.

Demitir um executivo requer cuidados especiais no planejamento, na organização e na comunicação, tanto para quem sai quanto para quem permanece e, eventualmente, para o mercado. Demissões bem conduzidas são uma demonstração de cuidado com as pessoas que trabalham em sua empresa e uma expressão de responsabilidade social.

Todo profissional se defronta com muitos riscos e oportunidades para sua vida e carreira. Frente a essa realidade, as empresas de outplacement se unem para oferecer produtos e serviços dentro de um plano que visa o planejamento estratégico, gerindo transformações, profissionalização, gestão de conhecimento e capital humano, reduzindo os impactos frente ao momento da transição de carreira.

A demissão é um processo de perda e geralmente desestrutura o profissional. O outplacement, além de auxiliar na estratégia de marketing do executivo, também dá suporte para o equilíbrio emocional, à medida que fornece informações reais e valiosas sobre o caminho que deve ser trilhado.

O trabalho é uma seqüência. Deve-se orientar o profissional no balanço da carreira, rever seus objetivos pessoais e profissionais, definir sua área de atuação em um novo emprego ou em um negócio próprio. Essencial também é auxiliar o profissional a desenvolver a sua rede de contatos e relacionamento, trabalhar técnicas de marketing pessoal e negociação, incentivar a busca do aperfeiçoamento e do desenvolvimento contínuo, visando gerenciar todos os aspectos que envolvem sua carreira.

Aos empresários e dirigentes das empresas que demandam esses serviços, fica o dever de analisar e avaliar a real necessidade de contar com tal apoio externo e, fundamentalmente, de assegurar a qualidade técnica, o atendimento e a ética da consultoria contratada. Aos consultores profissionais, autônomos ou dirigentes de suas consultorias, resta prestar um serviço cada dia mais confiável, competente, transparente e responsável. Dessa forma, ganharão as empresas contratantes e as consultorias contratadas. As organizações serão melhores e bem economicamente administradas. Será criado um campo permanente de atuação profissional, capaz de absorver, de forma institucionalizada, um largo contingente de recursos humanos.

A missão das consultorias, afinal, não é a de substituir competência, conhecimentos e experiência profissional dos executivos das empresas-clientes. Seu papel é apoiar, subsidiar, facilitar e promover o desenvolvimento qualitativo da gestão empresarial, contribuindo para eficácia, resultados e lucros.

A busca do talento e da oportunidade são as forças que dão ritmo e dinâmica ao mercado de trabalho para executivos e profissionais. Tudo indica que essas forças estarão muito ativas no Brasil nos próximos tempos, tendo em vista os sinais que chegam de várias partes. Quanto mais eficiente e eficaz for a empresa na busca do talento necessário aos seus quadros, melhor será o seu desempenho presente e, basicamente, o seu desenvolvimento no futuro. Por outro lado, o executivo/profissional disponível que busca uma colocação, ou aquele que, empregado, busca alternativas, precisa se preocupar não só com a manutenção de sua empregabilidade em alta, mas, também, com sua capacidade de buscar as melhores oportunidades. Que o futuro nos permita assistir a esse entrechoque de tal forma que faça crescer a quantidade e a qualidade dos talentos, assim como a expansão das oportunidades.

Conteúdos Relacionados

Rolar para cima