Perdão – Uma arma poderosa

Aprenda a usá-la para livrar-se do passado que machuca e conquistar uma vida de felicidade e sucesso. Aprenda a usá-la para livrar-se do passado que machuca e conquistar uma vida de felicidade e sucesso

Andréa estava radiante. Seu namorado havia pedido-a em casamento. Chegou em casa feliz mas, ao contar a notícia à família, ouviu da irmã mais velha, que falou com um misto de seriedade e desdém: ?Tem louco para tudo!?. Foi um balde de água fria. O relacionamento de Andréa com a irmã ? que já não era dos mais calorosos ? nunca mais foi o mesmo. Qualquer gesto ou palavra era motivo para discussão. Ela não conseguiu perdoar a irmã.

Perdoar é difícil ? a nós e aos outros. E é tão difícil porque nossa educação nos ensinou a julgar e a condenar, não a compreender e a perdoar. Não nos colocarmos na posição do outro, buscando entender seus motivos. Mas os desencontros são quase inevitáveis durante as lutas da vida. Muitas vezes esses esbarrões provocam feridas que custam a cicatrizar. A falta de tratamento desse tipo de mágoa freqüentemente traz um prejuízo maior para o ofendido do que para quem causou a mágoa.

Perdoe e faça um favor a você mesmo

Simples atos de perdão durante o dia ajudam você a se sentir melhor e menos estressado, diz Dr. Frederic Luskin, autor do livro O Poder do Perdão (visite o site www.learningtoforgive.com). Luskin é também diretor do Projeto Perdão, de Stanford. Esse projeto, fundado na Califórnia em 1998, é uma espécie de instituto de pesquisa sobre o ato de perdoar, onde verdadeiros workshops são oferecidos para quem quiser praticar técnicas de perdão.

Luskin observou que os voluntários de suas pesquisas apresentaram melhora no humor, na qualidade do sono, nos níveis de energia, além de uma melhora geral na saúde. Ele diz que não se trata de uma cura milagrosa, mas é realmente efetivo. Funcionou com ele ? também tinha dificuldades para perdoar sua mãe, um antigo amigo de infância e sua madastra, e sentia-se culpado e incomodado com esses sentimentos. ?As pessoas fazem coisas detestáveis. E eu tinha uma maneira errada de reagir a essas coisas. Então a conclusão a que cheguei é que as pessoas continuarão a fazer coisas feias, e o melhor é encontrar uma maneira mais inteligente de lidar com isso?, diz o Dr. Luskin.

Ao invés de enxergar o perdão como ato de fraqueza em que o ofendido curva-se ante o ofensor, é preciso ver o processo como um amadurecimento, um fortalecimento. Controlando suas emoções, você toma uma decisão consciente de viver mais feliz. Afinal, as pessoas continuarão fazendo coisas ruins, independentemente do nosso perdão ou rancor.

Mais do que isso. Sem o perdão, estamos fadados a trazer ódio e ressentimentos do passado, de antigas relações, para nossos novos encontros. Funciona assim: se a namorada A o decepcionou, você será cruel com a namorada B. E enquanto você sentir rancor pela A, continuará tratando mal a B. Você envenena uma relação que poderia ser feliz. Perde você, perde a namorada.

Algumas verdades sobre o perdão

O perdão não é fraco nem ingênuo. Segundo Jack Kornfield, em seu livro A Arte do Perdão, da Ternura e da Paz, o perdão exige coragem e clareza. Erroneamente as pessoas acham que perdoar é simplesmente ?esquecer? de uma vez por todas. Essa não é a sabedoria do perdão. Você pode lembrar do fato que o magoou, com a diferença de que, após o perdão, ele não o machuca mais. É como se tivesse acontecido com outra pessoa.

O perdão não acontece de uma hora para outra. Quando a injustiça é grande, vir a perdoar pode incluir um longo processo de aflição, tristeza, afronta e dor. O verdadeiro perdão não é uma tentativa de abafar ou ignorar nossa dor. Não se pode ter pressa. É um processo profundo, repetido tantas vezes quantas necessário. O perdão não esquece nem condena o passado. Ele vê sabiamente. Admite o que é injusto, prejudicial. Reconhece os sofrimentos do passado e compreende as situações que os causaram.

Perdoar não significa que temos de continuar a nos relacionar com quem nos prejudicou. Em alguns casos, a melhor prática é encerrar o nosso contato, para nunca falar ou estar com uma pessoa maldosa de novo. Algumas vezes, no processo do perdão, uma pessoa que nos tenha prejudicado ou traído pode querer voltar a ser amiga, mas mesmo isso não deve significar exigir de nós que nos coloquemos numa posição aberta a receber novos agravos.

O perdão no trabalho e na família

Marta e Ângela eram, além de colegas de trabalho, grandes amigas. Quando Marta se casou recebeu, como quase sempre acontece, alguns presentes repetidos. Por exemplo, ele ganhou dois conjuntos completos de panelas. Um dos conjuntos foi dado por Ângela. E como Ângela era bastante íntima dela, Marta pediu, com todo jeito, se seria possível trocar o presente repetido por algo que ela não havia ganhado. Ângela ficou ofendidíssima. E, a partir daquele momento, não falou mais com a colega Marta.

Com isso, Ângela não só perdeu a amiga, a companheira de almoço, como também uma aliada de sua escalada profissional, e uma peça importante de seu network. E, o pior de tudo: instaurou no ambiente de trabalho um clima ruim, em que todos se sentiam mal com a situação, pois a mágoa envenena não somente quem a cultiva, mas também quem está ao seu redor, formando panelas, espalhando inimizades, uma verdadeira erva daninha. Será que vale a pena?

E quando isso acontece na sua família? Irmãos que não se falam, pais que não procuram os filhos, filhos que não perdoam os pais. Às vezes carregamos mágoas de anos e anos, que já nem fazem mais sentido. E perdemos momentos de felicidade, de paz com nossos parentes, porque não abrimos mão de nossos ressentimentos. Que tal nos libertarmos de tudo isso, para vivermos uma vida plena, feliz? Pense nisso.

O perdão é realmente uma arma poderosa ? basta querer usá-lo. E, por mais que não possamos mudar o passado, podemos fazê-lo com o futuro, ao colocarmos o dedo na ferida e curarmos nossas mágoas de uma vez por todas. É a garantia de uma vida mais saudável ? e feliz.

Alguns passos para o perdão, propostos pelo Dr. Fred Luskin

· Saiba exatamente como se sente em relação ao que aconteceu e assuma que está magoado. Conte a alguém em quem confia sobre como se sente.

· Perdão não significa necessariamente reconciliação com quem o ofendeu. Tudo o que você precisa é se sentir em paz.

· Reconheça que seu sofrimento vem da mágoa, dos pensamentos e transtornos físicos que sente agora, e não do que ofendeu você há dois minutos ? ou 10 anos.

· Desista de esperar das pessoas algo que elas não podem lhe dar. Você é responsável por sua felicidade, lute por ela.

· Coloque sua energia em metas positivas, e não em remoer aquilo que o magoou.

· Lembre-se de que uma vida bem vivida é sua melhor vingança. Ao invés de cultivar sentimentos de autopiedade e dar à pessoa que o machucou poder sobre você, aprenda a enxergar o amor, a beleza e a ternura ao seu redor.

?A beleza do perdão é que sempre é hora de começar a praticá-lo. Basta aprender como? Dr. Fred Luskin

: “Guardar ressentimento é como tomar veneno e esperar que a outra pessoa morra” ? William Shakespeare.

Para saber mais: O Poder do Perdão, de Fred Luskin (W11 Editores) A Cura Pelo Perdão ? Liberte-se da culpa e da angústia, de Tito Oscar (Editora Vida ? www.editoravida.com.br)

Em Busca do Perdão ? Descobrindo o amor, de James Van Praagh (Editora Sextante ? www.sextante.com.br)

A Arte do Perdão, da Ternura e da Paz, de Jack Kornfield

(Editora Cultrix ? www.pensamento-cultrix.com.br)

Conteúdos Relacionados

Rolar para cima