Por quanto tempo você consegue atender o mesmo cliente?

Conheça as histórias de nossos leitores que atendem os mesmos clientes há 15 anos ou mais Se atender o mesmo consumidor por mais de um ano já não é uma coisa fácil, imagine por 15 ou 20. Na edição em que a VendaMais ?debuta?, fomos atrás de histórias de vendedores que atendem o mesmo cliente há 15 anos ou mais. Aqui, você confere as respostas mais interessantes.

?Tenho clientes que atendo há vários anos, e todos são especiais. Cada um tem uma história, um caminho percorrido. Um deles é o Joaquim. Há 15 anos, ele tinha uma pequena loja de calçados em João Pinheiro, MG. As primeiras coisas que vendi para esse cliente foram 12 pares de sapatos. Na época, Joaquim pedia que enviássemos caixas vazias para colocar nas prateleiras a fim de que seus clientes tivessem a impressão de que haviam muitas opções. Na verdade, seu estoque era muito pequeno, e ele não possuía condições de fazer pedidos maiores. Por muitos anos eu o atendi naquele local. Certo dia, ele me ligou dizendo que tinha comprado uma loja em Montes Claros, MG, e teria um sócio, o Paulinho. Disse também que por quatro meses não teria condições de me pagar, mas gostaria que eu continuasse a lhe fornecer, sendo essa decisão e os riscos exclusivamente meus. Eu aceitei levando em consideração a nossa história, o longo tempo de parceria e a grande amizade que solidamente nasceu entre nós. Em quatro meses, eles me pagaram, cresceram e passaram a ser um grupo de lojas. Somos parceiros até hoje, nossa amizade transcende a relação comercial, e tudo começou com 12 pares de calçados e a vontade obstinada de vencer.?
Mauricio A. Borem

?Nunca tinha trabalhado com consórcio e a ideia de vender me causava certo medo. Analisando o relatório mensal, verifiquei que faltavam cinco cotas para cumprir a meta. Como era novato na área, recebi a tarefa de visitar Marcelo, um cliente difícil de ser encontrado. Para minha sorte, consegui agendar um horário com ele. Separei o material e levei os cinco contratos ? não custava nada arriscar. De repente, entraram mais quatro jovens. Fiquei surpreso ao saber que eles também queriam conhecer o produto, então, respirei fundo e não deixei transparecer que estava nervoso. Fiquei extremamente à vontade e apresentei o produto para eles, que se encantaram com os benefícios. A empolgação que apresentavam me dava mais confiança, e isso fez com que eu fechasse os cinco contratos. Fui para a concessionária com a certeza de que obstáculos podem ser superados, basta querer. O mais marcante é que depois daquele dia, no ano de 1994, Marcelo sempre entra em contato comigo quando quer trocar de carro.?
João Galvão

?Em 1973, fiz meu primeiro trabalho como vendedor. Posso afirmar que essa profissão, além de ter sido amor à primeira vista, é um amor eterno. Em 1994, estava iniciando uma nova fase em uma multinacional na qual já havia trabalhado anos antes. Era uma posição muito desafiadora. Foi quando conheci a Editora Quantum e a revista Técnicas de venda, tornando-me assinante ? coisa que sou até hoje. Durante esses anos todos, aprendi muitas coisas que sempre me ajudaram a manter os clientes fiéis, como: buscar atualização constante, respeitar e escutar o que o cliente tem a dizer, atendê-lo sempre que necessário, acreditar no produto ou serviço que se vende, ser objetivo, positivo, otimista e alegre mesmo nas ?crises?, ser íntegro, honesto, ético, etc. Agindo assim, atingi todas as minhas metas profissionais e consegui fidelizar diversos clientes por anos e anos.?
Leven Vampré Neto

?A primeira vez que fui visitar um determinado consumidor, deparei-me com uma figura totalmente estranha. De cara, ele me deu um ?baita? chá de espera. Para quem tinha apenas sete minutos para cada cliente, aquilo era inaceitável. Na hora de tirar o pedido, era um tal de tira esse e bota aquele que acabei explodindo. Tivemos uma discussão tão feia que, quando cheguei à empresa, fui logo falando ao meu supervisor que se fosse para continuar atendendo aquele cliente eu preferia abandonar o trabalho. Calmamente, meu supervisor disse que se tratava de um consumidor especial e que a melhor maneira de enfrentá-lo seria aceitar o jeito dele. Então, pediu para eu ir para casa, esfriar a cabeça e deixar aquela decisão para a próxima visita. No dia seguinte, ele me perguntou se eu já estava preparado. Respondi que sim e combinamos que eu iria sozinho pedir desculpas e procurar conhecer o cliente. Foi um aprendizado incrível, pois ele não só aceitou minhas desculpas como também se desculpou ? isso ocorreu em 1982. Atualmente, represento uma indústria de embalagens, e o nosso relacionamento é tão bom que eu mesmo faço o controle de pedidos desse consumidor, mantendo um estoque na própria indústria. A cada 15 dias, ligo para ele e pego o relatório de necessidades e, mesmo quando a concorrência tem preços mais baixos, esse cliente faz questão de comprar comigo. Aprendi a gostar dele com suas virtudes e defeitos. Enquanto vendedor, espero tê-lo sempre como consumidor especial, pois hoje já somos bons amigos.?
Wilson Fernandes do Prado

Conteúdos Relacionados

Pin It on Pinterest

Rolar para cima