Por que os clientes torturam os vendedores?

Por que os clientes torturam os vendedores?

Senhoras e senhores clientes: afinal, para que servem os vendedores?

 

(   ) Enganar? (   ) Encher o #@$%? (   ) Fazer você comprar algo que não precisa?

(   ) Todas as alternativas?

 

De fato, existe uma parte dos vendedores que faz coisas como essas. No entanto, são poucos, especialmente depois de terem sido bombardeados durante anos com a regra: o cliente tem sempre razão. E essa “doutrinação” sobre os direitos do cliente, que recebeu o reforço do Código do Consumidor, tem dado ao cliente o sabor do poder. Sem dúvida, foi uma coisa boa para o mercado em geral.

 

Eu passei os últimos anos dizendo aos vendedores: sejam pacientes, esse é seu carma. Essa paciência compensa! Hoje, constato que nem sempre vale a pena. Muitos vendedores estão ficando doentes e deprimidos, abandonando a profissão de muitos anos de dedicação.

Tanto na venda pessoal quanto em todos os níveis de empresas, vemos compradores, em geral, torturando vendedores, com xingamentos nada sutis e desrespeitos, no atacado: não comparecem a reuniões marcadas, não cumprem os horários, fazem-se esperar indefinidamente, assumem poderes que não têm e, na hora do fechamento, “negam fogo”, cancelam pedidos, alegam ignorância do que lhes foi apresentado, dizem coisas diferentes para contatos distintos na mesma empresa, etc.

 

Teorizando um pouco, dá-me a impressão de que as pessoas, diante de sua impotência na maior parte das situações da vida, quando têm nas mãos alguns dos pequenos poderes, usam-no de maneira absurda. É como se pensassem: “Agora sou o cliente: posso massacrar o vendedor!”.

 

Existe o caso de muitas empresas, especialmente aquelas que possuem grandes bases de clientes (telefônicas, cartões de crédito, bancos, grandes redes de supermercados, provedores de internet, lojas virtuais, etc.), que de fato oferecem um tratamento indigno aos clientes que têm problemas. Isso gera algum revanchismo, que acaba sendo usado nas outras relações de negócio.

 

Entretanto, os senhores clientes com comportamento agressivo de rejeição se esquecem de que os vendedores levam conhecimento, opção, escolha, facilidade, entre outros. Apresentam oportunidades que de outra maneira o cliente não obteria.

 

Socialmente falando, os vendedores são de extrema importância no processo da economia atual. Sem eles, não há crescimento além do vegetativo. São eles que têm a possibilidade de fazer as pessoas adquirirem ou desejarem bens e serviços que as farão se movimentar para crescer economicamente e ter seus desejos atendidos. Sem eles, seria o caminho das filas em poucos fabricantes e comerciantes, assim como acontece nas economias de planejamento centralizado.

 

A cegueira do uso do pequeno poder do cliente faz com que ele se negue a receber, por exemplo, a ligação de um vendedor que lhe oferece redução em gastos que tem hoje. Caso seja uma empresa, precisa sempre reduzir despesas. Negar-se a isso é ter de gerar inflação depois, aumentando os preços para cobrir custos crescentes. Incompreensível!

 

Também acredito que parte dos maus-tratos de clientes aos vendedores se deve à aceitação de uma submissão que é inaceitável para um profissional de vendas. Na relação de vendas, o profissional é o vendedor. Ele é quem têm de liderar o contato e, entre outras atitudes, usar de humildade, e nunca de submissão.

 

Os vendedores são sim voltados para os clientes. Têm sim de ser pacientes, mas não devem nunca concordar com a humilhação.

 

Vendedor, se a sua atitude é positiva, pediu autorização ao cliente para o contato e a recebeu, você tem o direito de ser respeitado! Exija tal respeito e, se isso atrapalhar o negócio, mova-se para o próximo. Você também tem o direito de escolher os clientes. Só não tem o direito de ficar imóvel, lamentando as agruras da profissão.

Conteúdos Relacionados

Rolar para cima