Praticidade e transparência

Praticidade e transparência Se eu faço parte de um setor, como ele pode mudar sem mim? Se você já se fez essa pergunta, é importante entender definitivamente que um setor não só muda sem você como também o neutraliza, caso não esteja preparado para as inovações. Quem faz o alerta é C. K. Prahalad, reconhecido internacionalmente como um dos maiores especialistas em Estratégia Empresarial e Negócios da Atualidade, é chairman da Praja Inc. e consultor de grandes corporações, como Oracle, AT&T, Philips, Unilever entre outras.

Os ingredientes sugeridos por Prahalad para os empreendedores que desejam desenvolver um processo de transformação estratégica em suas organizações são: imaginação, paixão, coragem, humanidade, humildade, intelecto e um pouco de sorte. Para ele, é importante que a empresa se conscientize, antes de tudo, de sua colocação no mercado e de quais são as probabilidades reais de liderar esse setor. ?Muitos não tomam atitude inovadora justamente porque desconhecem seu papel no mercado, acreditam que simplesmente ?atuam? em um nicho imutável de comércio?, conta.

Atualmente, vivemos um momento em que os limites entre os setores estão cada vez mais indefinidos. Essa obscuridade, além de dificultar os passos das empresas em relação às suas áreas de atuação, permite aos que estão de fora e ?antenados? com o que há de novo nos setores de tecnologia e estratégias de mercado a criação de novos produtos e serviços que atingirão um público-alvo cada vez mais interessado em praticidade e transparência. É preciso se perguntar: ?Será que o que estou fazendo hoje permitirá que me atualize no futuro??.

Esse raciocínio requer drásticas mudanças no comportamento geral das empresas, o que, muitas vezes, é difícil de conseguir. Comumente, no universo administrativo é mais difícil (e incômodo) esquecer os métodos antigos que criar novos.

Hoje, as mudanças ocorrem de modo muito mais rápido que há alguns anos. Segundo Prahalad, esse ritmo pode ser útil para países em desenvolvimento como o Brasil, uma vez que eles podem ?saltar? algumas etapas, ou seja, as economias em desenvolvimento têm a opção de escolher os métodos já criados pelos países desenvolvidos, o que permitiria uma maior agilidade no processo de atualização. Contudo, não os impede de lançar e exportar com sucesso seus próprios projetos. Para Prahalad, as melhores estratégias a serem adotadas para uma empresa se tornar líder em seu setor são:

» Trazer o futuro para o presente e não extrapolar o passado ? Você pode fazer isso adotando ferramentas tecnológicas, como softwares de CRM (Customer Relationship Management), para fazer a migração dos antigos sistemas legados e fechados para a nova teia de informações.

» Descentralizar as informações ? Compartilhar informações não significa simplesmente que a companhia oferecerá todos os seus dados a parceiros, clientes e, talvez, a seus concorrentes. É preciso encarar essas ações como obtenção de um acesso privilegiado a milhares de informações outrora inatingíveis.

» Encarar os novos parceiros de negócios e clientes como uma comunidade ? Os clientes devem ser tratados não apenas como compradores de produtos, e sim como indivíduos pertencentes a uma comunidade que possui referências sociais e que compartilha gostos e opiniões. Dessa forma, eles podem se tornar extraordinários agentes de pesquisa, dando o feedback necessário para que as empresas aprimorem seus padrões e produtos.

Conteúdos Relacionados

Dica número 1 de liderança em vendas

Volta e meia recebo perguntas como esta: “Raul, se você pudesse me dar só uma dica sobre como ser um gestor melhor, qual seria?”

Procuro evitar responder questionamentos como este porque eles costumam vir de alguém que está procurando um atalho ou uma pílula mágica, mas a verdade é que sempre existe mais de uma opção para resolver um problema ou desafio – por isso mesmo, buscar uma única ferramenta milagrosa raramente traz os melhores resultados.

Continuar lendo
Rolar para cima