Os principais desafios enfrentados pelas mulheres em vendas

discriminação de mulheres em vendas

Por Mara Vicente

Chegamos ao ano de 2021 e ainda precisamos discutir os desafios que as mulheres enfrentam no dia a dia  – cenário que não muda quando falamos sobre o mercado de vendas. A participação feminina nas vendas pode ser relacionada ao seu histórico de conquistas na venda direta, um modelo de negócios que proporcionou a primeira oportunidade formal para mulheres se tornarem empreendedoras e vendedoras no Brasil e no mundo.

No Brasil, segundo a ABVED, 58% do mercado de venda direta é formado por mulheres, a maioria delas do setor de beleza. Agora, se estamos falando de outros mercados conhecidos como “um setor masculino”, as estatísticas da indústria globalmente mostram que apenas 25% dos vendedores na indústria de tecnologia são mulheres, e apenas 12% desse número estão em posições de liderança. Por que esse número ainda é tão pequeno?

Como uma mulher liderando a área de suporte na Pipedrive – uma empresa especializada em vendas e profundamente engajada em entender os pontos a serem melhorados dos nossos clientes -, posso listar alguns dos principais desafios que algumas de nós enfrentamos ao longo de nossas carreiras:

Discriminação de gênero: ainda um dos maiores desafios para o empreendedorismo feminino

A indústria ainda vê as mulheres como não tão confiáveis quanto os homens para apresentarem resultados de negócios expressivos. Segundo o Sebrae, apesar de serem menos inadimplentes que os homens (3,7% contra 4,2% dos homens empresários), as mulheres empresárias pagam taxas mais altas (34,6% contra 31,1% dos homens), e por serem maioria à frente de pequenos negócios, as mulheres também recebem menos investimento e têm menos acesso às linhas de crédito mais vantajosas.

A força dos estereótipos

Os estereótipos são atalhos mentais que muitas vezes nos levam a fazer suposições tendenciosas que prejudicam as mulheres no trabalho. Estereotipicamente, as mulheres são vistas como “sortudas”, e não como profissionais fortes e ambiciosas cujas realizações são baseadas em seu excelente conjunto de habilidades. Isso nos leva a superestimar o desempenho dos homens e subestimar o desempenho das mulheres. Segundo um estudo recente do professor Williams da Universidade da Califórnia, as mulheres têm uma série de desvantagens devido aos estereótipos de gênero, mesmo em ambientes de trabalho cotidianos. Você já notou que os erros das mulheres tendem a ser mais notados e lembrados por mais tempo? Ou nas reuniões, as ideias das mulheres são muitas vezes despercebidas, mas quando um homem as repete, todos percebem?

>> Exclusivo para assinantes: Saiba como cultivar o pensamento estratégico para obter resultados sustentáveis

“Chama o seu gerente”

Mais comum do que você pensa, é nos pedirem para chamarmos o gerente ou supervisor. Esse pedido costuma vir de homens, pois sentem a necessidade de resolverem seus problemas somente com outro homem. Esse tipo de situação traz a discussão de como as mulheres ainda não são tratadas como líderes. Por que ainda não somos vistas como esses gerentes com quem os clientes tanto ficam pedindo para falar?

No dia a dia, temos que provar que somos tão capazes quanto os homens em vendas e que também podemos ser gerentes. Logo, se estamos em uma posição de venda direta, isso significa que estamos preparadas para isso.

Quando as “palestras para mulheres” se tornam só um uma nova forma de “mansplaining”

Se você é uma mulher que nunca foi convidada para palestras e eventos como “Técnicas de vendas para mulheres” ou “Treinamento de vendas – para mulheres”, pode se considerar muito sortuda. Por que não vemos esses tipos de cursos para homens? As técnicas de vendas deveriam ser para todos que desejam trabalhar no ramo de vendas, sejam mulheres, homens ou qualquer outro gênero. Somos mulheres e trabalhamos com vendas. Precisamos de cursos e aprimoramento de nossos conhecimentos? Sim, claro. O que não precisamos é de um curso sexista só porque a sociedade continua pensando que não somos capazes de fazer o mesmo que os homens.

Tema antigo, mas ainda muito importante, diferença salarial

Não é nenhuma surpresa que, no mundo todo, homens continuem recebendo mais do que as mulheres, mesmo fazendo o mesmo trabalho. No Brasil, as mulheres em vendas ganham no máximo 87% da renda anual do homem, embora muitas pesquisas mostrem que as mulheres costumam ter melhores resultados do que os homens, em cargos diretamente ligados a vendas, pois são capazes de ler as características dos clientes mais rapidamente, sabendo assim, as melhores formas de abordá-los.

A falta de confiança em nós mesmas é o principal fator que continua a alimentar esse comportamento. Embora a indústria já esteja discutindo maneiras de lidar com essa desvantagem, algumas ações podem ser tomadas:

  1. Negocie seu salário de acordo com o que você acha que deveria receber. Em caso de dúvida, não tenha medo de perguntar ao seu líder sobre quaisquer diferenças salariais. Honestidade e transparência são sempre bem vindas;
  2. Mantenha um portfólio das suas conquistas para apresentar nas avaliações de desempenho. Lembre-se: fatos são incontestáveis!
  3. Quando interrompida durante seu discurso, não fique ressentida. Faça uma pausa, aguarde o silêncio e termine o seu pitch. Depois disso, você pode pedir gentilmente às pessoas que não a interrompa novamente. Não desista de falar e contribuir, porque esse também é o seu espaço;
  4. Não tenha medo de ser você mesma e questionar o que você não concorda;
  5. Comemore os sucessos umas das outras no local de trabalho e apoie suas colegas;

Acima de tudo, confie no seu trabalho e na sua habilidade em vendas. Se esforce para sempre aprender e procurar melhorar e empreender nesta indústria. 

Artigo escrito por Mara Vicente, VP of Customer Solutions na Pipedrive.

Leia também:

Conteúdos Relacionados

Rolar para cima