Problemas no caixa?

O caixa não é uma necessidade do cliente e sim da empresa. Portanto, aprenda a fazer dele um instrumento de marketing. Você conhece alguém que vai a uma loja, supermercado, restaurante e tem como objetivo ficar esperando no caixa? O caixa não é uma necessidade do cliente, e sim da empresa. Qual será o motivo de tantas empresas não se preocuparem com as experiências vividas por seus clientes no caixa? Segundo Paco Underhill, a memória de um bom passeio de compras pode ser apagada por uma experiência ruim na fila do caixa. É comum terminar as compras em um supermercado e ficar aguardando em uma fila, quando existem diversos caixas fechados.

O caixa é, em tese, o último contato do cliente com a empresa. Um cliente vai ao restaurante e após ter se deliciado com as iguarias que foram feitas, espera por cinco minutos a conta. Pode parecer pouco, mas se for um restaurante de alto luxo, todo atendimento foi por água abaixo. O cliente não vai ao restaurante com o intuito de pagar a conta. Na verdade, até seria bom se não existisse a conta. Afinal, o cliente vai para comemorar um momento especial, fazer negócios e tantas outras coisas, só não vai para esperar a conta.

Existem pessoas que atendem no caixa e não têm a sensibilidade de perceber que o seu atendimento pode ser decisivo quanto ao retorno do cliente à empresa. Um cliente entra em uma farmácia, solicita ao balconista um remédio para febre, pois sua filha está doente em casa. Em seguida, dirige-se ao caixa para efetuar o pagamento. Ao retirar uma nota de 50,00 reais, o caixa olha com um ar de quem nunca viu uma nota daquela e diz: ?50 para cobrar 2,80 reais? Não tenho não!?.

O funcionário do caixa responde como se a obrigação de ter o dinheiro trocado fosse do cliente. Nunca mais o cliente retornará a essa farmácia. Não aceitar cheques ou ser tecnologicamente ultrapassado por não ter a máquina de cartão de débito é algo que até acontece em estabelecimentos em que a gestão é deficitária. Não aceitar dinheiro é um problema crônico. Pensando bem, talvez seja melhor até fechar o estabelecimento.

Henry Friedman afirma que existe o remorso do cliente: arrependimento ou sentimento de culpa depois de uma compra e acredita que todas as pessoas sentem alguma culpa depois de efetuar qualquer compra. Sempre que o cliente compra, acaba ficando com um sentimento de culpa por ter gasto ou por achar que poderia ter procurado mais. O fato é que sempre existe algum tipo de dúvida. As pessoas precisam de reforço para sentirem-se seguras. Saber se as outras pessoas gostaram do mesmo jeito que ele ou ela gostou. Um rapaz compra uma camisa nova. Faz o pagamento e sai da loja. No momento em que cruza a porta, tudo começa. ?Será que minha namorada vai gostar? Será que está na moda? Será??

É inerente ao ser humano ter dúvida, ficar inseguro, necessitar do apoio do outro. O homem é um ser social e gosta de ser apoiado. Friedman diz que saber que outra pessoa gosta do que você comprou faz com que você se sinta confiante e mais feliz com a sua decisão. Você já experimentou isso, não? Especialmente depois da compra de um produto caro, algo que você teve dificuldade para decidir? Admita ? todos gostam de ter suas decisões apoiadas ? inclusive você.

O caixa, por ser o último contato do cliente na empresa, tem a oportunidade de fazer com que o cliente saia da empresa com uma boa impressão e confiante do que adquiriu.

No caixa:

-Chame o cliente pelo nome.
-Reforce positivamente quanto à escolha feita.
-Agradeça por ter escolhido a empresa para fazer aquela compra.
-Convide o cliente para voltar sempre.

Alguns cuidados são importantes. O caixa de uma farmácia não deve dizer: ?Obrigado! Volte sempre!?. Com essa frase, estaria desejando ao cliente que ficasse doente sempre para voltar outras vezes à farmácia. Mas pode agradecer pela preferência e desejar que a pessoa melhore logo. Pode parecer simples, mas é um grande diferencial tratar bem as pessoas quando estão gastando. Afinal de contas, é o cliente quem sustenta a empresa e merece o melhor atendimento possível. O caixa pode deixar de ser um problema e se tornar uma grande solução.

Conteúdos Relacionados

Dica número 1 de liderança em vendas

Volta e meia recebo perguntas como esta: “Raul, se você pudesse me dar só uma dica sobre como ser um gestor melhor, qual seria?”

Procuro evitar responder questionamentos como este porque eles costumam vir de alguém que está procurando um atalho ou uma pílula mágica, mas a verdade é que sempre existe mais de uma opção para resolver um problema ou desafio – por isso mesmo, buscar uma única ferramenta milagrosa raramente traz os melhores resultados.

Continuar lendo
Rolar para cima