Qual é a sua diferença?

Pelo atendimento, você pode transformar seu produto ou serviço em algo especial, percebido pelos clientes e desejado pela concorrência. Tudo pode ser copiado e aprimorado ou podemos acrescentar novas qualidades, cores e performance aos produtos e serviços, mas existe algo que somente o dono do negócio ou o seu braço direito pode fazer, e isso se chama atendimento.

Existem diversos restaurantes em minha cidade e muitos vendem o mesmo produto, disputando os clientes, que ficam divididos, já que a qualidade das pizzas servidas é ? aparentemente ? igual ou com pequenas diferenças.

Realmente, em minha cidade (São Leopoldo), existem várias pizzarias, mas muitas deveriam fechar suas portas, devido ao atendimento que oferecem aos clientes. As pessoas que vão não conhecem o atendimento. Retornam ? no máximo ? mais uma vez e procuram novos locais, na espera de encontrar qualidade do produto e do serviço.

Se um cliente, ao pagar, está com a cara amarrada, você sabe adivinhar o motivo? Podem ser vários, mas o principal e, em se tratando de um restaurante, é óbvio que com relação ao atendimento: não foi bom ou a qualidade dos produtos deixou a desejar.

Além da tradicional pergunta: ?Você foi bem atendido??, por que o dono desse negócio não percorre as mesas e interage com os clientes, de forma a descobrir sobre a qualidade do atendimento e do produto servido? Custa fazer isso?

Devido ao movimento em determinados restaurantes, vem a acomodação e o desleixo. Vendo que o ?tlim-tlim? da caixa registradora não diminui, por que mudar? Tenho um amigo que é um exímio pizzaiolo. Infelizmente ele não possui um nome tradicional para alavancar o seu movimento, mas aos poucos vai firmando-o no meio em que está e o seu movimento está crescendo. Suas instalações são acanhadas frente aos demais estabelecimentos, mas o seu atendimento ? feito por ele, por sua esposa e seus pais ? é nota mil e a qualidade de seus produtos é de dar inveja.

Eis a diferença. Ele está em um estabelecimento pequeno, mas tem um grande serviço, chamado qualidade, e essa é a sua marca. Vou lá várias vezes por mês e saio com vontade de voltar, sem contar que minhas filhas iriam lá todos os dias, se pudessem.

E você, tem a sua diferença ou está acomodado com o movimento que tem?

Comemorando o Dia do Vendedor e do Representante Comercial, convidei um amigo para saborear uma costela. No final, discutimos sobre capital e trabalho. Ele disse que com o capital que tem, poderia ficar anos sem fazer nada e eu disse que ele não conseguiria sobreviver se não tivesse quem fizesse o trabalho por ele. Onde compraria uma pizza ou os ingredientes para fazê-la?

Agora, a diferença: tenho o capital e não o trabalho, a mão-de-obra e o atendimento que foi prestado pelo meu amigo pizzaiolo, todas as vezes que lá fui comer. O capital sustenta o mundo, mas sem o atendimento nada funciona.

Existem controvérsias sobre esse assunto, e não quero polemizar, mas para que haja um melhor atendimento, em qualquer atividade, o capital deve intervir através de remuneração, treinamento e focar no desenvolvimento das pessoas que geram mais capital ao empresário. Raros são os que colocam a mão na massa, levantando tijolo por tijolo. A maioria manda fazer e fica fiscalizando, mas, mesmo assim, quantas obras ficam diferentes do projeto porque, por ser dono, deixou que o capital mandasse?

Qual a sua diferença? Sua entrega é rápida? Seu cadastro ultrapassa o tempo e os clientes recebem um limite em curto espaço de tempo? Sua pós-venda gerência somente a satisfação dos clientes? Sua equipe de vendas, além de amplamente treinada é motivada a matar todos os dias um leão?

Ou você, mesmo vendendo, se arrasta, chutando seus colaboradores, exigindo que eles forneçam o calzone do meu amigo, mas com forno doméstico?

Gostou? Elogia e se possível copia o que de bom é feito, modifique o ruim e transforme o seu produto e serviço em algo especial, percebido pelos clientes e desejado pela concorrência.

Conteúdos Relacionados

Dica número 1 de liderança em vendas

Volta e meia recebo perguntas como esta: “Raul, se você pudesse me dar só uma dica sobre como ser um gestor melhor, qual seria?”

Procuro evitar responder questionamentos como este porque eles costumam vir de alguém que está procurando um atalho ou uma pílula mágica, mas a verdade é que sempre existe mais de uma opção para resolver um problema ou desafio – por isso mesmo, buscar uma única ferramenta milagrosa raramente traz os melhores resultados.

Continuar lendo
Rolar para cima