Quem foi que disse que isso é marketing?

O verdadeiro marketing é aquele realizado com as ferramentas e propósitos dentro do conceito de marketing. Segundo Philip Kotler, o marketing é a ciência e a arte de conquistar e manter clientes e desenvolver relacionamentos lucrativos com eles. Quem utiliza as ferramentas de marketing fora desse conceito está equivocado. Não está fazendo marketing.

Se eu, formado em Administração de Empresas, sem qualquer curso ou habilidade para a área de saúde, resolver fazer uma operação, entrar em um hospital e operar um doente. Vou para sala de operação, visto-me com as roupas do médico, pego um bisturi e corto o paciente ao meio. Tornei-me médico, não é verdade? Afinal de contas, estou fazendo tudo que um médico faz. É claro que você deve estar pensando que enlouqueci dando esse exemplo. Somente o médico, dentro da ética de sua profissão, pode exercer a Medicina. Quero apenas ilustrar o que ocorre na nossa profissão, enquanto gestor de negócios e profissionais de marketing.

Quem usa ferramenta de marketing somente o estará fazendo se cumprir os demais conceitos propostos pelo marketing. Assim como na Medicina, o marketing também tem seu código de ética e deve ser cumprido.

Se alguém faz uma propaganda, não estará necessariamente fazendo uma ação de marketing. Pode até ser que o resultado seja positivo e que a ação contribua para o crescimento da organização. Mas a ação do marketing implica em realizar um conjunto de atividades que proporcione resultados contínuos à instituição e não apenas respostas ao acaso.

A propaganda enganosa é um exemplo clássico de propaganda que não faz parte das ações de marketing. Quem faz propaganda enganosa comente um crime e isso torna-se um caso de polícia e não de marketing.

Uma venda com intuito de enganar o cliente também deixa de configurar uma ação de marketing por não conseguir fazer com que a continuidade exista.

Pode parecer piegas a defesa que estou fazendo, querendo colocar o marketing como algo perfeito e imaculado. Não é isso que desejo, meu intuito é advertir quanto ao uso incorreto do conceito do marketing para as mais diversas ações que ocorrem no mercado.

Certo dia, estava em uma igreja e ouvi o pastor fazer toda a sua preleção enfocando como o marketing prejudica a vida das pessoas. Como assim o marketing prejudica as pessoas? Ele busca entender o que o cliente deseja para poder atender às necessidades dele. Como pode prejudicar a vida das pessoas? Acredito que a popularização da palavra marketing e sua conceituação foi o que fez com que ele fosse julgado como o mal do século.

É comum ouvir as pessoas dizerem, quando desconfiam de que alguém ou alguma empresa está querendo enrolar: ?Isso é puro marketing!?. Se é puro marketing, deve ser coisa boa. Afinal, o marketing estuda o mercado e busca adaptar produtos e serviços para o melhor proveito dos clientes. Não é que o marketing tenha ficado bonzinho, mas as empresas sabem que estão em um mercado altamente competitivo e não podem errar no trato com seus clientes. Precisam acertar no atendimento e no produto ou serviço oferecido ao consumidor.

Por muito tempo, um bom vendedor era aquele que fazia com que as pessoas comprassem o que não desejavam. Convivi com o comércio por toda a vida, acho que nasci dentro de uma loja e diversas vezes tive a oportunidade de ouvir meu pai dizer que um bom vendedor era aquele que vendia uma camisa vermelha para uma pessoa que entrou na loja chorando e dizendo que a mãe havia morrido. Hoje, o conceito de vendas mudou. Se uma pessoa entrar chorando por qualquer que seja o motivo, o bom vendedor vai ouvir a história e vai chorar com ele. E não precisa ter a mãe do cliente morrido para que a comoção seja real. Fazer uma ação de marketing na venda está relacionado a entender o que o cliente realmente deseja e atender essa necessidade. Empurrar produtos que o cliente não precisa está longe do conceito de marketing.

É sempre bom repetir: marketing é um conjunto de atividades. Não se faz marketing com uma ação isolada. Se um comerciante resolver distribuir panfletos sobre o seu negócio e não avisar aos seus funcionários sobre essa ação, quando o primeiro cliente chegar com o panfleto perguntando sobre a promoção, o funcionário dirá que deve ser no concorrente ao lado. Para a divulgação ter bom resultado, é preciso que o comerciante tenha o produto e que ele seja bom, tenha preços competitivos, possa entregar e faça clientes satisfeitos.

Sergio Roberto Dias afirma que marketing é a função empresarial que cria continuamente valor para o cliente e gera vantagem competitiva duradoura para a empresa, por meio da gestão estratégica das variáveis controláveis de marketing: produto, preço, comunicação, distribuição.

Marketing é pensar antes, durante e, principalmente, depois da compra. Para saber se sua empresa faz ou não ação de marketing, verifique quantos clientes voltam ou indicam seu negócio para que outros clientes comprem. O sucesso do cliente é o resultado do profissional de marketing em qualquer organização.

Conteúdos Relacionados

Rolar para cima