“Quem mexeu no meu Curriculum?”

Quantas vezes passamos por entrevistas, dinâmicas de grupos, ou melhor, um topa tudo por emprego, apresentamos a nossa vida profissional e pessoal no currículo… e, diante das estressantes entrevistas, não ficamos sequer sabendo o conteúdo final do processo seletivo. Esta é uma mensagem de conscientização, onde a palavra curriculum é uma realidade daquilo que o ser humano mais deseja na vida: emprego e estabilidade.

Emprego e Estabilidade?

Sim, o ser humano precisa antes de tudo, que o seu ego seja massageado com um emprego, seja ele qual for.

Quantas vezes passamos por entrevistas, dinâmicas de grupos, ou melhor, topa tudo por um emprego, apresentamos a nossa vida profissional e pessoal no currículo e, diante das estressantes entrevistas, não ficamos sequer sabendo o conteúdo final do processo seletivo.

A vida nos dá muitos “nãos”, mas vivemos sempre correndo atrás do “sim”, e as empresas, manipuladas por pessoas arrogantes, que se fecham no escritório, em suas salas, atrás de suas cadeiras e ignorâncias, nos analisam de cima em baixo e dizem: “Entraremos em contato!”

Mas que contato?

Muitas vezes nem sabemos para qual empresa estamos concorrendo a uma vaga, e quando perguntamos: “Podemos saber a vaga, salário e a empresa?”

-Sim, somente no final do processo seletivo!!! É um tremendo desrespeito e um abuso da manipulação entre o ser e o ter.

Ser é aquilo que somos perante nós e a sociedade; ter é aquilo que buscamos na colocação profissional e muitas vezes, o que representamos diante da sociedade.

Quem mexeu no nosso curriculum e ainda não nos deu uma resposta, o jogou numa gaveta entre inúmeros outros, são os grandes responsáveis pela luta constante do homem entre o ser e o ter, o ouvir e o falar, e finalmente, entre o respeito e a ética.

É preciso o respeito pelo profissional que busca a sua colocação profissional e a ética da simples resposta entre o “sim” e o “não”, e em caso negativo, explicar, orientar e motivar o real motivo desta resposta e como fazer para se conseguir o bendito, e sempre procurado emprego.

Afinal de contas: “quem mexeu no meu currículo?”

Quem determina o perfil para a vaga almejada: a empresa, o mercado ou os recrutadores?

Continuo aguardando, ainda sentado, que muitas empresas tenham a devida consideração comigo e com os outros candidatos, a dêem suas respostas sobre os processos seletivos participados e inacabados a qual todos nós participamos e só Deus sabe quando terminaremos.

Conteúdos Relacionados

Rolar para cima