Seja a primeira opção de seus clientes

Dicas para você se tornar a primeira opção de seus clientes Tenho certeza de que sua empresa não está sozinha no mercado. Ela até pode ser líder no seu setor, mas dificilmente estará sozinha, e se estiver, não será por muito tempo. Em um país continental como o Brasil, podemos afirmar que a maioria das lideranças de mercado se dá de baixo para cima. É você vendedor, quando diz que na sua região seus produtos serão os líderes de mercado, que está construindo a liderança da sua empresa.

Quando se é líder no cliente e na sua região, somadas todas as regiões onde os vendedores têm a mesma atitude, se dará a liderança nacional. E liderança não quer dizer exclusividade. Seu cliente irá receber o assédio dos concorrentes e é até normal que queira experimentar outras fontes de fornecimento e outros produtos. O importante, nesse caso, é que você consiga sempre ser a primeira opção dele. Sempre que o cliente pensar em um produto ou em uma nova compra, que ele lembre-se primeiro de você. E isso tem a ver com o nível de proximidade entre vocês.

Quando o cliente lhe chama novamente, significa que o trabalho foi bem-feito e que o atendimento e a entrega estiveram em perfeita sintonia. Lembre-se: é mais fácil vender que ser comprado!

Trabalhe sua carteira de clientes com inteligência
Quero ressaltar aqui a importância da sua carteira de clientes e do trabalho de inteligência que se deve fazer sobre ela. Atender primeiro os mais lucrativos, trabalhar o mix de produtos, atender com rapidez e dedicação, prestar atenção em todos os detalhes, identificar os clientes, os não-clientes e os ex-clientes e adotar, para cada um desses grupos, estratégias de atendimento diferenciadas e dimensionadas no tempo, são essenciais para o seu crescimento.

Todos queremos vender os produtos mais fáceis para os clientes que mais compram, mas essa é uma estratégia, quando única, de comodismo e até mesmo de conformismo. Essa não é a atitude dos campeões. Sabemos que foco é fundamental, mas o risco de se ter uma carteira pequena demais não vale a pena.

Há que se balancear os números de clientes, com sua disponibilidade de tempo para atendê-los, com a agenda e com o volume de compras e de participação na venda do mix como um todo. Lembre-se: não ponha todos os ovos em uma cesta só!

Descubra quem são seus não-clientes
Já falamos sobre a importância de se aprender com os ex-clientes e com os não-clientes. Dedique parte do seu tempo para atender os não-clientes. Você os conhece? Sabe onde estão? Quais as estratégias para conquistá-los?

Estabeleça um desafio no mês, um número de não-clientes que você quer positivar. E isso significa fazer o cliente voltar a comprar, sair do nível de prospecção e entrar na sua carteira de clientes. Para isso, faça um planejamento identificando primeiro onde irá buscá-los, onde eles estão e quem são. Peça a sua empresa que o ajude nessa prospecção, a esses chamamos de prospects. Liste-os e procure conseguir agenda para visitá-los.

Logo em seguida, prepare-se, procure saber de quem compram, o que compram e quanto compram. De posse dessas informações, prepare uma proposta irrecusável para que eles possam experimentar os seus produtos e o serviço de sua empresa. Lembre-se: não limite seu mercado aos seus clientes atuais!

Antes, durante e depois
Vimos que o lucro está no freguês, naquele cliente que nos dá a sua preferência e a quem sempre teremos de agradecer. E se acreditamos fielmente nisso, temos de compreender que o lucro está no longo prazo e que não haverá longo prazo, claro, sem novos produtos, novos serviços e formas de resolver os problemas e ansiedades de nossos clientes. Mas tampouco haverá longo prazo se não entendemos que o cliente, como qualquer ser humano cheio de vida, quer sempre o antes, o durante e o depois.

É legítima uma relação só de interesse com os clientes. Oferecemos bons produtos e serviços, e eles nos remuneram, mas, em última instância, empresas não compram de empresas, CNPJs não compram de CNPJs, são pessoas que compram de pessoas e, nesse caso, é preciso ir além dos interesses. É preciso ter ética, honestidade e correção para que possamos chamar de parceria. É preciso entender que carinho antes é interesse, carinho depois é relacionamento.

Use todas essas dicas, e não esqueça que paciência, persistência, preparo e foco são essenciais. Se você conseguir que de cada dez prospects, um vire cliente no mês, e que a cada três novos clientes um vire freguês, em um ano, sua carteira estará super-reforçada, menos dependente dos clientes atuais, e seu bolso bem mais cheio. Afinal, é para isso que você trabalha, para crescer, vencer e ser feliz. Boas Vendas!

Conteúdos Relacionados

Dica número 1 de liderança em vendas

Volta e meia recebo perguntas como esta: “Raul, se você pudesse me dar só uma dica sobre como ser um gestor melhor, qual seria?”

Procuro evitar responder questionamentos como este porque eles costumam vir de alguém que está procurando um atalho ou uma pílula mágica, mas a verdade é que sempre existe mais de uma opção para resolver um problema ou desafio – por isso mesmo, buscar uma única ferramenta milagrosa raramente traz os melhores resultados.

Continuar lendo
Rolar para cima