Somos maus amantes

Somos maus amantes Primeiro é a agradável surpresa pelo convite de participar do chamado processo seletivo. Cuidadosamente, você se prepara para a entrevista inaugural. Busca informações sobre a empresa ? história, valores, produtos e serviços comercializados ? e sobre seu mercado de atuação ? conjuntura atual, cenários e ações da concorrência.

No dia da conferência, você coloca a sua melhor roupa e procura chegar antes do horário agendado. No local marcado, outras pessoas, também vestindo os seus melhores trajes, e, talvez, igualmente preparadas, aguardam com ansiedade similar.

É possível que uma atividade denominada ?dinâmica de grupo? seja imposta a você e aos demais candidatos ao cargo, divididos entre os descontraídos, os nervosos e os armados com respostas prontas e pasteurizadas. Uma ou mais entrevistas individuais posteriores elevam o nível de tensão. Nelas, você é submetido a vários testes e também testemunha grandes planos para o desenvolvimento da corporação ? e da sua carreira.

Após trilhar esse percurso, você recebe um telegrama, no fim de uma tarde de sexta-feira, comunicando de sua admissão naquela companhia. Quanta alegria! O final de semana é eletrizante e dormir no domingo à noite é missão quase impossível.

Seu primeiro dia é movimentado. Você recebe senha e crachá, conhece seu local de trabalho, as instalações da empresa e é apresentado a algumas pessoas. E termina o expediente ainda muito entusiasmado, mas com a impressão de que sobrou objetividade e faltou atenção, receptividade e hospitalidade.

Os meses passam, e as novidades se convertem em rotina; as expectativas, em frustração; a dedicação, em desânimo. Você passa a questionar onde está a empresa que lhe contratou e o que se perdeu pelo caminho. Os dias tornam-se longos, e o horário de partir custa a chegar.

Ao mesmo tempo, a companhia passa a indagar sobre o seu comportamento, suas ações e, em especial, sobre os resultados decorrentes de seu trabalho. E, nos bastidores, você pode ser visto como negligente, omisso e desinteressado.

As empresas investem recursos e tempo em pessoas altamente qualificadas para selecionar um profissional, mas não promovem sua real integração ao grupo. Precisam de pós-venda, necessidade que, talvez, se manifeste na prestação de seus próprios serviços.

Já os profissionais se deixam abater pelos eventos e transferem às corporações a culpa pela sua perda de motivação, esquecendo a perda do incentivo, do brilho no olhar e da razão de ali estar é uma responsabilidade pessoal.

A verdade é que somos maus amantes. Trabalhamos muito, lutamos conquistar determinadas coisas, mas somos incompetentes para mantê-las e desenvolvê-las. Perdemos a capacidade de nos apaixonar pelas coisas que fazemos ? e pelas pessoas que conhecemos. Entregamo-nos aos hábitos, regras, normas e convenções. E assim permitimos que os relacionamentos despeçam-se da emoção, as refeições declinem do aroma e do sabor e a vida perca a cor.

Conteúdos Relacionados

Dica número 1 de liderança em vendas

Volta e meia recebo perguntas como esta: “Raul, se você pudesse me dar só uma dica sobre como ser um gestor melhor, qual seria?”

Procuro evitar responder questionamentos como este porque eles costumam vir de alguém que está procurando um atalho ou uma pílula mágica, mas a verdade é que sempre existe mais de uma opção para resolver um problema ou desafio – por isso mesmo, buscar uma única ferramenta milagrosa raramente traz os melhores resultados.

Continuar lendo
Rolar para cima