Supere-se!

Qual é a diferença entre as pessoas que ficam paralisadas diante das necessidades e aquelas que as superam?

O que separa as pessoas comuns daquelas que se tornam conhecidas por superar grandes obstáculos e conquistar o sucesso? Atitudes. A resposta pode ser motivação, foco, iniciativa, inteligência emocional, disciplina, resiliência, criatividade, ética, persistência, autodesenvolvimento ou uma combinação dessas palavras. Se você olhar para o lado ou buscar na memória, certamente lembrará de pessoas bem-sucedidas que têm uma ou várias dessas atitudes desenvolvidas. Todos os meses, na revista Motivação, contamos a história de alguém que se superou em virtude de suas atitudes. Nesta edição da VendaMais, trouxemos para você três das melhores histórias que já foram publicadas por lá para que, no mês do vendedor, você também possa superar obstáculos e transpor barreiras para construir a sua história de sucesso.

 

Disciplina – Ubirajara Gomes da Silva foi abandonado por seus pais em um orfanato e, na adolescência, tornou-se um morador de rua. Ele dormia em bancos de praças e, como precisava comer, voltou a estudar, pois a merenda escolar garantia a única refeição que fazia no dia. Durante as noites, Ubirajara sonhava em mudar sua vida. Certo dia, teve a ideia de prestar um concurso público. Com o pouco dinheiro que conseguia nas ruas, ele ia até lan houses para obter informações sobre concursos. Muitas vezes, optou por pagar o uso do computador em detrimento de uma segunda refeição. Em uma dessas ocasiões, definiu que passaria no concurso do Banco do Brasil. Então, todos os dias, das 8 às 17 horas, ficava na biblioteca pública estudando e se preparando. À noite, lia e fazia anotações em seus rascunhos. Quando tinha fome, bebia água e estudava para esquecê-la. Foram 12 anos vivendo nas ruas e dormindo em bancos e calçadas. Não tinha sequer escova de dente e documentos.

 

Depois de tanta dedicação, Ubirajara passou no concurso em 136º lugar entre os 19 mil candidatos inscritos para a vaga de escriturário em 2007. Das 150 questões, acertou 116. Em julho de 2008, o novo funcionário do Banco do Brasil assumiu o cargo e teve direito a receber salário mais benefícios que giravam em torno de 2 mil reais mensais – um ganho excelente para quem vivia com três reais por dia e dormia na rua, sem recursos básicos. Ubirajara foi muito disciplinado para conquistar seu objetivo. Mas como manter a disciplina diante da fome, do frio, da carência afetiva e da total falta de recursos básicos para sobreviver? Tendo um desejo profundo e sincero de mudar a situação. Quando realmente queremos algo, aceitamos pagar o preço da mudança e sabemos que alguns sacrifícios são necessários para obter o que desejamos. Inspire-se nesse exemplo para alcançar o que você deseja!

 

Criatividade – Imagine o que poderia acontecer se um chef de cozinha perdesse o paladar. Desistir da profissão seria uma opção bem óbvia, mas não foi isso o que Grant Achatz fez. Proprietário do restaurante Alinea, em Chicago, nos Estados Unidos, ele é considerado pela gastronomia internacional um dos mais bem-conceituados chefs de cozinha. No entanto, ele teve um câncer na laringe que se espalhou por sua língua, fazendo-o perder sua maior ferramenta de trabalho: o paladar.

 

Em vez de desistir ou se afastar do trabalho, Grant continuou sua jornada no restaurante e passou a desenvolver ainda mais sua criatividade para combinar as cores e os aromas dos alimentos. Além de aprimorar seu olfato e aguçar ainda mais sua visão como novas ferramentas de trabalho, ele também recorreu aos seus subchefes de cozinha, que o ajudaram a lançar as novas receitas de sucesso do Alinea. Mesmo com sua boca e garganta machucadas, ele não deixou sequer um dia de trabalho, pois acreditava que a melhor maneira de vencer sua doença seria fazendo o que mais amava na vida, cozinhar.

 

Após oito meses de sofrimento, Grant foi gradualmente recuperando seu paladar e, hoje, está completamente curado. Ele continua na lista dos melhores e seu restaurante se mantém famoso e lucrativo. Mas a história dele poderia ter seguido um rumo completamente diferente se não tivesse desenvolvido outros recursos. Então, quando estiver diante de uma dificuldade, lembre-se de que as pessoas possuem diversos recursos, mas infelizmente a zona de conforto as impede de explorá-los e de buscar novas habilidades. Para superar obstáculos, precisamos desenvolvê-las e tentar ver a vida por outros ângulos.

 

Persistência – João Carlos Martins venceu seu primeiro concurso de piano para jovens intérpretes de Bach aos 8 anos e, dos 13 aos 18, viajou pelo Brasil, apresentando-se em diversos teatros. Aos 20 anos, iniciou sua carreira internacional e passou a tocar piano nas principais orquestras do mundo. A música era o sentido de sua vida, mas, aos 26 anos, sofreu um grave acidente: durante um jogo de futebol, caiu sobre uma pedra que ficou cravada próxima ao cotovelo. João fez várias cirurgias, sessões de fisioterapia e se apresentou novamente com um dedo de aço, porém a crítica pesou sobre seus ombros e ele parou, pois percebeu que não conseguia oferecer a música com a qualidade que tinha até então.

 

Durante sete anos, viveu em crise, longe da música, mas decidiu estudar, preparar-se e recomeçar. João se superou quando foi aplaudido por mais de 3 mil pessoas no Carnegie Hall, em Nova Iorque. Os oito anos posteriores foram perfeitos. No entanto, ele descobriu que estava com Lesão por Esforço Repetitivo (LER). Parou de novo, voltou ao Brasil e se dedicou a outros negócios. Não conseguiu ficar longe da música e decidiu tentar novamente.

 

João voltou a ter uma elevada performance como músico, mas sofreu um assalto, reagiu e levou um tiro na cabeça. Teve lesões cerebrais e o lado direito de seu corpo ficou paralisado. Sua música foi interrompida por oito meses. Após um tratamento de reprogramação mental nos EUA, ele foi retomando os movimentos, voltou a tocar e finalizou a gravação das obras de Bach.            

As sequelas do assalto, porém, o faziam sentir muita dor. Ele precisou fazer novos tratamentos, mas, em vez de desistir da música, optou por estudar regência. Seis meses depois, já estava regendo orquestras em Londres, Paris e Bruxelas. Hoje, João Carlos Martins é considerado um dos principais regentes do mundo, tornou-se palestrante motivacional, publicou o livro A saga das mãos, da editora Campus/Elsevier, e realiza projetos sociais ensinando músicas para jovens carentes. Tudo isso só foi possível devido à sua persistência. Depois de tantas barreiras, seria mais fácil desistir, mas ele buscou alternativas diferentes para se superar e triunfar.

 

Veja que esses são apenas alguns exemplos de pessoas que se superaram. Entretanto, nossa vida está rodeada de histórias como essas – como a dos avós que saíram de algum país distante com praticamente nada no bolso para tentar a vida no “novo mundo”, das crianças que vivem com um sorriso no rosto e se esquecem rapidamente do tombo que levaram ontem, etc.

 

A decisão de continuar ou desistir é feita todos os dias, em qualquer dificuldade que encontramos. Portanto, ter a atitude certa é, via de regra, o mais importante passo para você superar qualquer problema e alcançar seus objetivos.

Conteúdos Relacionados

Rolar para cima