Você prefere ter agora e pagar juros ou esperar e pagar à vista com desconto?

Você prefere ter agora e pagar juros ou esperar e pagar à vista com desconto?

 

Para responder a essa dúvida, muitas outras perguntas precisam ser feitas e respondidas, obviamente.

Ah! Achou que era fácil? Não, não é, pois muitos aspectos têm de ser levados em consideração:

 

  • Em relação ao aspecto do objeto – É uma necessidade, urgência ou um desejo?
  • Em relação ao prazo e condições – Você pode pagar à vista? Quer financiar, mas tem o dinheiro e gostaria de deixá-lo aplicado? Possui apenas uma parte do dinheiro ou não tem nem um tostão para dar de entrada?

 

Veja que somente esses questionamentos já levam a um grande número de combinações de respostas. As pessoas se endividam pelos mais diversos motivos, mas é comum dizerem que é devido ao crédito fácil porque, mesmo pagando à vista, não têm nenhum desconto, etc. Nada disso! O perfil de comprar à vista ou se endividar chega muito antes que simplesmente ceder às ofertas de produtos e de crédito.

Então, outras perguntas surgem, como: “Você está querendo compensar alguma perda?”; “Está infeliz ou quer se mostrar para alguém?”, etc. Claro que esse não é seu caso, caríssimo leitor, porém, muitas compras por impulso são feitas a partir desses motivadores.

 

Voltando à questão de não haver desconto para pagar à vista, é importante saber que, para algumas lojas, aquelas que têm uma financeira por trás, não interessa muito oferecer desconto para pagamento à vista porque elas já recebem dessa forma, tanto do cliente quanto da financeira.

 

Ou seja, a empresa ganha duas vezes: na venda e no financiamento. E o cliente que compra financiado? Ah, esse é o ser mais amado pela companhia, pois dá lucro para a loja e para a financeira. Amado se pagar em dia e mais amado ainda se pagar atrasado, com mais juros…

 

Na internet, podemos encontrar vários fóruns em que se discute o que as pessoas preferem fazer: se é melhor ter agora e pagar juros ou esperar e pagar à vista, com desconto, em lojas e empresas que valorizam o pagamento total no ato da compra. A maioria responde que é preferível esperar e pagar à vista, claro, é o mais lógico, já que sai mais barato para ela.

 

Mas há casos em que se justifica comprar a prazo: alguém construindo uma casa, por exemplo, que é uma maneira possível de ter um bem durável, em substituição ao aluguel. Emergências como uma cirurgia também explicam essa opção. Nesse momento, agradecemos aos céus por ter uma fonte de crédito, mesmo com juros. Entretanto, pagar juros para ter uma roupa, sapato, celular, viagens ou qualquer bem supérfluo ou de modismo pode ser um tiro no pé.

 

Esperar e pagar à vista, embora seja uma tarefa bem difícil diante dos bombardeios da comunicação, que provocam desejos e estimulam realizações imediatistas, leva você a honrar os compromissos. Mas, se ainda precisa de mais um estímulo, vamos aos números, pois eles não deixam dúvidas.

 

Suponha que compraremos uma TV LCD por R$1,5 mil nas Lojas Ulalá. À vista e com 10% de desconto (não custa tentar negociar) ela sairia por R$1.350. Mas se comprarmos em 24 parcelas, com taxa de juros de 5% ao mês, teremos R$108,71 em cada parcela, um valor bem baixo, não? Não, porque o preço final dessa TV será praticamente o dobro: R$2.609,04.

 

Se considerarmos ainda que a TV escolhida terá, em dois anos, uma defasagem de preço de mais de 50%, quando pagarmos a última prestação e completarmos os R$2.609,04, ela valerá algo em torno de R$700. Vale a pena?

 

Mais uma continha: se pudermos (ou conseguirmos) esperar um pouco, guardando esses R$108,71 por mês em uma poupança, em menos de um ano poderemos comprar a TV à vista. Precisa dizer mais alguma coisa? Contra fatos não há argumentos, não é? Para tomar a decisão mais acertada, você pode fazer seus cálculos no site do Banco Central, acesse: www.bcb.gov.br/?PRESTFIXA.

Conteúdos Relacionados

Rolar para cima