Você quer ser rico? – GV n. 238

O mundo sempre esteve dividido entre os que pensam e os que executam. Mas muitos homens que se destacaram na história tiveram em comum o dom da estratégia e a capacidade de pensar. O livro O líder pensador explica bem esse conceito e torna clara a divisão entre os profissionais pensadores e os executores.

 

Ser um profissional executor é uma opção individual. Mas, muitas vezes, é a consequência de uma carreira mal gerenciada desde a sua origem. O planejamento profissional meticuloso feito com frequência – dia após dia – é o que transforma um executor em um pensador de sucesso.

 

Abandonar o comodismo de ser um profissional executor e tornar-se um pensador está ao alcance de todos. Basta ter autoconhecimento e atitude. Devemos entender que somos os donos de nosso futuro e, consequentemente, de tudo o que temos de bom ou ruim. Qualquer vendedor, supervisor, gerente de vendas ou, até mesmo, um empreendedor, que seja essencialmente um executor, pode se tornar um profissional pensador.

 

Há uma interdependência entre a função do pensador e a do executor. Na verdade, uma não existe sem a outra. É evidente que os benefícios de um profissional pensador são maiores que os de um executor, pois derivam de maior preparo, experiência e conhecimento. Via de regra, um executor é aquele que cumpre as ordens dos pensadores.

 

Quer saber se é um profissional executor? Veja se você se identifica com as seguintes características:

 

  • Só executa, sem ser estimulado a pensar.
  • Na hora da decisão, duvida da própria escolha ou intuição.
  • Quando comete erros, não apenas gera custos e perde dinheiro como também elimina as oportunidades ao seu redor.
  • Até possui talentos verdadeiros, mas a falta de capacidade em deixá-los claros, impede-o de demonstrar seu potencial.
  • Apenas faz parte de um processo e pode ser descartado a qualquer momento.

 

Já o profissional pensador é aquele indivíduo que é capaz de processar as informações do ambiente organizacional e pessoal, enxergando o todo, sendo capaz de entender o cenário em que vive, adaptá-lo a uma nova realidade e, assim, executar com qualidade as ações necessárias para obtenção de resultados duradouros através de um pensar estratégico.

 

É claro que ser um pensador não é uma tarefa fácil, tanto que muitos profissionais preferem continuar com o mero papel de executores. Mas ser um verdadeiro profissional pensador possui vantagens significativas, confira:

 

  • Pela potencial habilidade em criar, tem suas ideias respeitadas e valorizadas.
  • Devido à experiência adquirida no período em que foi executor, desenvolve confiança e intuição invejáveis.
  • Não espera pelas oportunidades. Elas são tantas que ele tem o privilégio de escolher as mais pertinentes.
  • É inovador por natureza e sua criatividade surpreende, principalmente quando elabora estratégias.
  • Não espera que os outros lhe deem valor. Cria seu próprio valor, ou seja, brilha por si mesmo.

 

A partir desse conceito do profissional pensador e através de uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa (ABEP), os autores procuraram entender quem está no topo da pirâmide social no Brasil, a chamada elite, quais suas características e como se comporta essa minoria que detém a riqueza. Através dos resultados dessa pesquisa, você entenderá que a riqueza está muito mais associada às atitudes positivas desses profissionais que à distribuição injusta de renda.

 

Essa pesquisa foi realizada com 2,4 mil pessoas em todas as regiões do Brasil. Desses indivíduos, 526 pertencem às classes A1 e A2, com renda média familiar entre R$6.536,73 e R$9.733,47. Entender como as pessoas dessas classes pensam e executam, abre uma oportunidade para que todos, principalmente aqueles que ainda não fazem parte dela, entendam como chegar lá e descubram que, com competência e ética, é possível conquistar o tão almejado sucesso profissional, observe:

 

Satisfação com a chefia

A pesquisa apontou que, dentre os ricos, apenas 9% das pessoas estão insatisfeitas com o chefe. Isso significa que os indivíduos com renda superior entendem que o que uma empresa procura, na verdade, são resultados. E os pensadores são movidos a resultados. Portanto, sabem muito bem o que é um ambiente de trabalho, entendem que a razão e a emoção devem ser controladas e que, entre superiores e comandados, existem culturas, crenças, valores e famílias que não são necessariamente iguais a sua. Dessa forma, aprendem com maturidade a viver com as diferenças.

 

Função estratégica

É preciso entender que, quanto mais experiência e maturidade o indivíduo tem, mais ele pensa e menos executa e, consequentemente, ganha mais dinheiro. A pesquisa deixa bem clara essa conclusão: são 69% das pessoas com funções exclusivamente estratégicas contra apenas 31% de operacionais altamente qualificados. Isso significa que as chances de um profissional essencialmente operacional, ainda que extremamente qualificado, ter um salário de elite é de 30%.

 

Felicidade

A elite tem um grau de felicidade (somatório dos quesitos muito feliz e feliz) de 91%, o que leva a crer que dinheiro, que muitos afirmam de forma equivocada ser algo do mal, tem sua parcela significativa na obtenção de felicidade. Ele é a recompensa da qualificação, da habilidade de mostrar essa qualificação aos outros e de fazer o bem à humanidade. Simples, dinheiro é o prêmio do competente.

 

Satisfação Profissional

Em relação à satisfação com a atividade profissional, a elite apresenta um grau de 80%. Os profissionais de recursos humanos dizem que o dinheiro não traz felicidade nem satisfação pessoal, porém a falta dele… Ao analisar o salário diante do grau de felicidade em relação ao trabalho, a pesquisa concluiu que quem está muito feliz com seu trabalho acaba tendo uma renda mensal razoavelmente maior. Assim, podemos concluir que fazer o que gosta traz melhores resultados.

 

Empreendedorismo

Os profissionais da classe A1 e A2 demonstram claramente que o empreendedorismo, aplicado de forma inteligente e baseado em preparo, é o caminho mais curto para o sucesso. Simplesmente mais de 1/3 da elite já tem empresa própria. Outros 25% pensam em ter e 21% estão decididos a tê-la. A elite é uma empreendedora nata.

 

Responsabilidade social

A prática do bem é algo comum entre os indivíduos que possuem mais rendimentos no Brasil. Isso demonstra que quanto mais doamos e ajudamos, mais temos. A pesquisa apontou que mais de 90% das pessoas, dos chamados “ricos”, praticam ou já praticaram ações de responsabilidade social.

 

Grau de instrução

Para fazer parte dessa elite, é necessário ter no mínimo uma graduação. Até existem alguns casos, encontrados na pesquisa, de pessoas que, mesmo com ensino fundamental ou médio (menos de 4%), chegaram a ter sucesso financeiro. No entanto, isso é exceção e está longe da regra a ser seguida: possuir formação universitária.

 

Livros

Se a educação é essencial para fazer parte da elite, ler livros tem a mesma importância. Quem lê apenas uma obra por ano reduz suas chances a apenas 7% de fazer parte da dimensão dos pensadores. Os livros trazem um mundo de conhecimento, visões diferentes e a possibilidade de adquirir informações sobre qualquer área do conhecimento humano. Entretanto, preste atenção: para ler acima de dez livros por ano, por exemplo, é preciso ter foco do que realmente se quer na prática. Quem lê demais e faz de menos, acaba se tornando um generalista pouco valorizado no mercado. Cerca de 78% da elite brasileira leem entre dois e dez livros por ano.

 

Foco na área de formação

É bom esclarecer também que trabalhar em uma área totalmente diferente daquela em que você se formou diminui muito a chance de fazer parte desse seleto grupo. Em resumo, é preciso buscar primeiro a especialização e, depois, a generalização. E por falar em especialização, quanto maior a graduação, maior o rendimento mensal. Sem conhecimento é impossível obter um ganho significativo no atual mercado de trabalho, que está cada vez mais competitivo.

 

Uma dica valiosa: se você ainda não fez seu MBA, especialização ou pós-graduação, faça agora. Dessa forma, seus rendimentos poderão aumentar em no mínimo 50%. Na pesquisa, uma análise do salário médio mensal dos entrevistados de acordo com o grau de instrução revela que uma pessoa pós-graduada ganha um salário 66% maior que o de uma graduada.

 

Perfil do pensador

Levando em consideração os melhores rendimentos mensais nas seguintes categorias:

Livros – 5 a 10

Responsabilidade social – Frequentemente

Função – Estratégica

Formação – Especialização

Grau de felicidade – Muito feliz

 

A pesquisa demonstrou que apareceram 60 pessoas com esse perfil, sendo a média dos rendimentos desse público de R$6.579,71. Portanto, fica mais que provado que, ao buscar o perfil do pensador, você tem mais de meio caminho andado para conseguir seu lugar na elite.

 

Agora que você já sabe o conjunto de características que precisa ter para ser um profissional pensador, só depende de você. Se praticar tudo isso de forma qualitativa, o sucesso será apenas a consequência de seu esforço.

  

Livro:O líder pensador

Autores: Marcelo Peruzzo e Bonifácio Watanabe

Editora:IP2 Books

Conteúdos Relacionados

Rolar para cima