A ética e o cidadão

A ética não é uma questão exclusiva do Brasil, mas sim mundial, onde assistimos a uma degradação moral acelerada, onde a corrupção se faz presente em todos os meios de nossa sociedade. Onde o corporativismo e o nepotismo aliados ao clientelismo prevalecem acima de quaisquer valores. Esperamos não ter de passar por mais uma tragédia mundial para nos conscientizarmos da necessidade de mudança, primeiro em nós mesmos, para somente depois saber a quem escolher como nossos representantes legais, e aí sim, cobrar resultados daqueles que serão nossos legítimos representantes.

“O homem é um ser no mundo, que só realiza sua existência no encontro com outros homens, sendo que todas as suas ações e decisões afetam as outras pessoas”.

Uma pessoa que reduz o potencial de sobrevivência de outra, de um grupo, de uma sociedade ou de um país por menor que seja esse grupo humano, pode ser considerada como criminosa, não contra si próprio, mas acima de tudo contra a humanidade. E aí entra o contexto ético. Querer aplicar a ética aos outros sem primeiro aplicar em si mesmo é o primeiro indicador de seu fracasso.

Mas, por que se fala tanto em ética no Brasil? Essa questão não é exclusivamente nossa, mas sim mundial, onde assistimos a uma degradação moral acelerada, onde a corrupção se faz presente em todos os meios de nossa sociedade, onde o corporativismo e o nepotismo aliados ao clientelismo prevalecem acima de quaisquer valores, e onde os maiores prejudicados são os mais pobres e os excluídos.

A falta de ética prejudica o doente que compra remédios caros e falsos, prejudica a mulher, o idoso, o negro, o índio e o trabalhador, recusados no mercado de trabalho ou no ingresso a escolas; prejudica os analfabetos que não têm acesso ao mínimo de dignidade humana e o acesso à informação; prejudica os deficientes físicos a usufruir da vida social; prejudica de alguma forma a todos nós, independente de religião, credo, partido político, preferência sexual, raça, cor, idade ou nível de instrução. A ética é inerente ao ser humano, e por esta razão é vital na produção da realidade social. Está associada à necessidade da vida, ao desejo de realizar a vida, de deixar fluir aquilo que de mais puro brota de nossos corações, o amor ao próximo, a ausência da maldade consciente, o altruísmo e a vontade de ver a realização do outro como se fosse a nossa própria, mantendo com os outros relações justas e aceitáveis.

E onde mais está fazendo falta a ética? A sua falta ou quebra, como já vimos, afeta e ameaça todos os setores e aspectos da nossa vida, mas não há como negar que também na política tem os seus efeitos devastadores pois, além de se tratar de um ser humano como nós e também interagir com o meio que vive, o político deve ser um exemplo para a sociedade. A política deveria ser o ponto de equilíbrio de nação e quando ela não se realiza fazendo valer a vontade e o interesse coletivo rompe-se a confiabilidade e o tecido político social do país.

Quanto mais estiver fora da ética, menos o indivíduo será digno de confiança, será ganancioso, desleal e mentiroso; aquele que comete algo, mesmo às ocultas, tenderá a difamar o outro, tentando valer os interesses pessoas sobre os da coletividade, achando que o único sucesso que vale é o econômico como medida de todas as coisas e onde só o que importa é a riqueza e a beleza aparente.

Esperamos não ter de passar por mais uma tragédia mundial para nos conscientizarmos da necessidade de mudança, primeiro em nós mesmos, para somente depois saber a quem escolher como nossos representantes legais e, aí sim, cobrar resultados daqueles que serão nossos legítimos representantes. Se a nós foram dados dois caminhos para seguir na vida, que optemos pelo amor, já que o caminho da dor é mais longo e penoso, o menos recomendável.

Que possamos passar por um processo de mudanças, onde a reforma pessoal em que cada um se aprofunda consigo mesmo possa reavaliar seus valores pessoais, mudando seu comportamento em relação a esses desvios éticos e em conseqüência fazendo uma sociedade mais justa e solidária.

Conteúdos Relacionados

Dica número 1 de liderança em vendas

Volta e meia recebo perguntas como esta: “Raul, se você pudesse me dar só uma dica sobre como ser um gestor melhor, qual seria?”

Procuro evitar responder questionamentos como este porque eles costumam vir de alguém que está procurando um atalho ou uma pílula mágica, mas a verdade é que sempre existe mais de uma opção para resolver um problema ou desafio – por isso mesmo, buscar uma única ferramenta milagrosa raramente traz os melhores resultados.

Continuar lendo
Rolar para cima