A evolução do vendedor para o trade marketer

O vendedor precisa deixar de ser um vendedor de produtos para se transformar em um vendedor de idéias. No contexto da ação e argumentação de vendas nas relações vendedor-revendedor, propõe-se que o vendedor deixe de ser um vendedor de produtos para se transformar em um vendedor de idéias.
&raquo Que idéias propõe-se que o vendedor venda ?
&raquo A idéia de que seu produto é bom ?
&raquo A idéia de que seu produto é vendável ?
&raquo A idéia de que seu produto dá lucro ao revendedor ?

Provavelmente, ele terá de dizer essas coisas e tentar vender essas idéias em suas primeiras visitas ao revendedor. Mas se tiver de dizer isso todas as vezes que visita o revendedor, vai soar muito tolo e vazio.

E, se depender da aceitação desses argumentos pelo revendedor, provavelmente não estará acrescentando nada ao que já devia ser sabido e aceito, depois de meses e anos de convivência e negociações.

Ele estará sempre pedindo que o revendedor compre, em vez de auxiliá-lo a vender. E só auxiliará os seus clientes-revendedores a vender se puder vender a eles a idéia de que poderão vender mais e ganhar mais se esses produtos estiverem sempre disponíveis na loja e se forem bem e adequadamente expostos, divulgados, ofertados e demonstrados aos clientes da loja.

Para assumir a posição de “Parceiro de Negócios” ou “Aliado” de seus clientes-revendedores, o vendedor terá de estar em condição de orientá-los, apoiá-los e estimulá-los para que administrem e promovam cada vez melhor os seus negócios.

O conhecimento profundo do negócio do revendedor é que dará ao vendedor as melhores condições de negociar com ele em pé de igualdade e assumir uma posição mais destacada aos olhos de cada um dos revendedores que assiste.

O vendedor da empresa industrial que convive prolongadamente com dezenas e centenas de empresas revendedoras varejistas está em uma posição privilegiada para conhecer, profundamente, todos os detalhes do trabalho da revenda no varejo.

Na troca de informações com seus colegas ele pode, na realidade, conhecer a experiência de milhares de revendedores, desde que esteja interessado e permanentemente atento a essa experiência.

O que acontece, na maior parte das vezes, é que o vendedor não volta sua atenção para isso. Não observa e não analisa a experiência do varejo. Assim, anos de convívio podem passar sem que o vendedor os aproveite para identificar e conhecer os detalhes do negócio de seus interlocutores.

De uma forma bastante geral, os vendedores profissionais que atuam no relacionamento com os revendedores gostariam de ser vistos pelos seus ?clientes? como um ?consultor de negócios? mas, na maioria das vezes, eles se dão conta de que só podem dialogar com os revendedores se o assunto for o seu próprio produto. O revendedor não verá como um ?consultor? alguém que não conheça bem o negócio em que ele (revendedor) está envolvido.

O profissional que está alerta para a experiência varejista e para os recursos do ?marketing promocional? assimilará e dominará, em pouco tempo, o conhecimento essencial para atuar como um autêntico agente do desenvolvimento de negócios junto ao varejo; um promotor de desenvolvimento de revendedores; um verdadeiro profissional de trade marketing.

Conteúdos Relacionados

Dica número 1 de liderança em vendas

Volta e meia recebo perguntas como esta: “Raul, se você pudesse me dar só uma dica sobre como ser um gestor melhor, qual seria?”

Procuro evitar responder questionamentos como este porque eles costumam vir de alguém que está procurando um atalho ou uma pílula mágica, mas a verdade é que sempre existe mais de uma opção para resolver um problema ou desafio – por isso mesmo, buscar uma única ferramenta milagrosa raramente traz os melhores resultados.

Continuar lendo
Rolar para cima