A síndrome das segundas-feiras

As noites de domingo costumam ser uma tortura para muita gente. Elas significam que o fim de semana está terminando e, na manhã seguinte, será a hora de voltar ao trabalho ? e a todos os problemas e dramas deixados para trás na última sexta-feira. Mauro Silveira, autor do livro O Emprego Ideal Existe (Editora Gente) aborda esse tema com muita propriedade. As noites de domingo costumam ser uma tortura para muita gente. Elas significam que o fim de semana está terminando e, na manhã seguinte, será a hora de voltar ao trabalho ? e a todos os problemas e dramas deixados para trás na última sexta-feira. Mauro Silveira, autor do livro O Emprego Ideal Existe (Editora Gente) aborda esse tema com muita propriedade. Ele comenta que a literatura médica registra uma infinidade de casos de pacientes que, durante o entardecer de domingo, começam a apresentar quadros de depressão, desânimo e até crises de choro. Além de um problema clínico em si ? a depressão vem sendo chamada de doença do século ?, esses profissionais têm no trabalho uma fonte de insatisfação e frustração. A simples constatação de que está se aproximando a hora de encarar o mau humor do chefe, as brincadeiras nem sempre oportunas dos colegas e a rotina diária de tarefas já é suficiente para tornar a volta ao batente um verdadeiro inferno.

A maior parte das pessoas não nutre simpatia pelas segundas-feiras, mas tem consciência de suas obrigações e deveres. O pior, segundo Mauro, é que há profissionais, no entanto, que transformam todos os dias da semana numa espécie de segunda-feira interminável. Não encontram ânimo nem motivação para sair da cama todas as manhãs e encarar o dia de trabalho. Sentem-se frustrados e infelizes com seu emprego e carreira. É o momento em que descobrem que as coisas não saíram como o planejado ou sonhado. Em que momento da carreira eles erraram para chegar a esse ponto? Provavelmente a falha mais importante nesse processo foi não fazer a análise das oportunidades de trabalho baseados em suas habilidades individuais e naquilo que de fato gostariam de realizar como profissionais.

Para sugerir uma saída, o escritor mostra o que acontece em comum entre as pessoas que se dizem realizadas profissionalmente:

– Elas souberam respeitar sua vocação.

– Buscaram trabalho em empresas que possuíam valores iguais aos seus.

– Gostam verdadeiramente do que fazem. O trabalho é visto como fonte de prazer.

– Estão permanentemente se capacitando como profissionais.

– Sabem se automotivar e vibram com os bons resultados.

– Encaram os problemas como desafios, não como obstáculos.

– Não conseguem enxergar sua vida sem o trabalho.

– Estão sempre em busca de inovações e maneiras de aperfeiçoar o trabalho.

– Não se importam com o status da profissão, mas com a realização de algo bem-feito.

– Vêem o trabalho como um meio de dar uma contribuição à sociedade, e não somente como um meio de pagar contas.

– Encaram o dinheiro como conseqüência natural de um trabalho bem-feito e reconhecido pelos clientes.

– Sentem-se felizes com o crescimento da empresa e a ascensão dos colegas.

– Não barganham seus sonhos por dinheiro. Jamais trocariam uma empresa onde estão felizes por outra que oferece apenas um salário maior.

– Jamais descuidam da vida pessoal nem de sua família.

– A segunda-feira é aguardada com alegria.

O grande mérito desses profissionais é traçar a carreira tendo como base um projeto de vida. São pessoas capazes de dizer ?não? a qualquer proposta que fuja daquilo que ambicionam ou que vá contra seus princípios e valores, acrescenta o escritor.

?Se você ainda não tem um projeto de vida, está na hora de colocá-lo no papel. Nunca é tarde. Avalie a empresa em que está ou em que sonha trabalhar considerando aquilo que você deseja para sua vida. Procure se imaginar daqui a cinco ou dez anos e questione se essa organização o ajudará a chegar lá. Ela permitirá que você explore mais seus pontos fortes do que os fracos? Se as peças não se encaixarem perfeitamente, a empresa em questão não é a ideal para você. Trabalhar nela representará sempre uma melancólica manhã de segunda-feira?. ?Ache um trabalho de que goste e acrescente cinco dias a cada semana? ? H. Jackson Brown

Conteúdos Relacionados

Dica número 1 de liderança em vendas

Volta e meia recebo perguntas como esta: “Raul, se você pudesse me dar só uma dica sobre como ser um gestor melhor, qual seria?”

Procuro evitar responder questionamentos como este porque eles costumam vir de alguém que está procurando um atalho ou uma pílula mágica, mas a verdade é que sempre existe mais de uma opção para resolver um problema ou desafio – por isso mesmo, buscar uma única ferramenta milagrosa raramente traz os melhores resultados.

Continuar lendo
Rolar para cima