Fugas do cotidiano

Entenda o que é e como o experience marketing vai fazer a diferença e colocar sua empresa ou marca não na mente, mas no coração do seu público-alvo. Verdadeiras fugas do cotidiano. É esse o novo conceito de valor que o experience marketing, marketing de experiência, veio acrescentar. Pesquisas apontam que quando as empresas reúnem seus colaboradores e parceiros fora do local normal de trabalho ou em uma situação inusitada o resultado é um estreitamento de laços entre as pessoas e a organização.

Para estabelecer grandes relacionamentos ou vender, o entretenimento tem, hoje, um componente fundamental. O experience marketing realiza essa vivência lúdica. E os momentos lúdicos podem ser transformados, quase sem se dar conta, em espaços de formação em que podem ser desenvolvidas ações que criem relacionamentos de alto valor e gerem negócios por meio de experiências únicas, memoráveis e exclusivas, utilizando ambientes diferenciados. Um marketing de magia que encanta e surpreende.

As experiências vividas em momentos de lazer possuem um grande poder de aproximação. No experience marketing, as empresas podem se aproximar mais de seus clientes e, com isso, desenvolver estratégias diferenciadas que valorizaram ainda mais as marcas. São através de momentos únicos como esses que são desenvolvidos grandes projetos.

O principal objetivo do experience marketing é encantar. Para isso, é importante estabelecer conexões emocionais, descobrir o que as pessoas sentem e anseiam. Todo trabalho é feito com base no entendimento das necessidades específicas dos clientes e do perfil do seu público-alvo, ou seja, busca-se a forma mais eficaz de surpreender e motivar sua equipe, colaboradores e clientes: programas de motivação, fidelização, eventos, promoções ou presentes.

É por isso que todas ações do experience marketing devem ser trabalhadas em conjunto, pois nunca se constrói com uma única ação. É preciso ter um profundo conhecimento do público com o qual está trabalhando, aliando a uma capacidade que é capaz de gerar e executar ações que satisfaçam a todos.

Antes de desenvolver qualquer ação, porém, é preciso primeiramente avaliar e medir os resultados dela, mensurando-a através de dois eixos: proximidade (que pode ser medida através de pesquisa) e faturamento. Esse processo de mapeamento e planejamento permite que se seja cirúrgico no desenvolvimento das experiências. Conseqüentemente, fica muito mais fácil mapear os resultados, pois os objetivos são definidos antes das ações.

No experience marketing, é possível, também, unir o relacionamento profissional ao familiar. Isso influencia muito nas transmissões de sensações ou estados de espírito, que são fatores determinantes para qualquer ação que busque diferenciação.

O grau de maturidade alcançado pelo consumidor brasileiro exige novas formas de abordagem. Os tradicionais eventos de relacionamento corporativo, como happy hours, estão com o prazo de validade vencido. Ninguém sente-se mais motivado a participar de um encontro corporativo que não estabelece uma verdadeira fuga do cotidiano. É bom lembrar, também, que o alto executivo dispõe de uma agenda muito apertada e certamente não abrirá espaço para o comum. Se tiver de escolher entre mais um happy hour e um jantar em família, certamente escolherá o último.

Por isso, leve seus funcionários, clientes e possíveis clientes para um evento memorável, emocionante. Se possível, inclua seus cônjuges. Não seria sedutor uma degustação de vinhos com um sommelier? Ou um jantar sofisticado, preparado pelo próprio executivo, com o auxílio de um chef de cozinha famoso? Ou então a realização de uma regata, guiada por velejadores profissionais? As opções são muitas.

Aposte na surpresa, tenha ousadia. Depois, meça os resultados. Posso garantir, com toda a certeza, que o experience marketing vai fazer a diferença e colocar a sua empresa ou marca não na mente, mas no coração do seu público-alvo. Um relacionamento que estabelece conexões emocionais.

Conteúdos Relacionados

Dica número 1 de liderança em vendas

Volta e meia recebo perguntas como esta: “Raul, se você pudesse me dar só uma dica sobre como ser um gestor melhor, qual seria?”

Procuro evitar responder questionamentos como este porque eles costumam vir de alguém que está procurando um atalho ou uma pílula mágica, mas a verdade é que sempre existe mais de uma opção para resolver um problema ou desafio – por isso mesmo, buscar uma única ferramenta milagrosa raramente traz os melhores resultados.

Continuar lendo
Rolar para cima