Injeção de ânimo

Injeção de ânimo Era preciso acabar com o vício. Depois de 30 anos fumando, sua saúde já estava prejudicada. No dia 13 de outubro de 2002, enfim, largou o cigarro. Depois disso, decidiu ir ao médico para ver o que a dependência tinha causado.

Carlos de Melo era vendedor de consórcios do Grupo Rodobens de Recife, PE, e estava acostumado a uma rotina de muitas vendas, festas e cerveja com os amigos. No início de 2003, fez mais exames, e descobriu que era portador do vírus da hepatite C. Quando soube, entrou em depressão e achou que iria morrer. Suas vendas caíram no primeiro mês, mas ele deu a volta por cima. ?Eu posso garantir que o que mais ajudou foi o meu trabalho, porque, apesar de saber da gravidade da doença, eu não queria ficar sem trabalhar?.

O tratamento foi complicado. Durante seis meses, ele se submeteu a aplicações semanais de Interferon ? um medicamento injetável que pode trazer efeitos colaterais como queda de cabelo, emagrecimento e enjôos. Mesmo enfrentando dificuldades, o amor pelas vendas não o deixou parar de trabalhar e a injeção de ânimo dada pelos colegas, amigos e familiares foi mais forte que as injeções de Interferon. Logo ele voltou a ser um grande vendedor. Quase no final do tratamento, foi campeão de vendas no Nordeste, vendendo 508 mil reais em um mês.

Hoje, como consultor de negócios do Grupo Rodobens, Carlos só pensa em continuar vendendo e tendo muito sucesso. ?Só tenho a agradecer por ter derrotado a doença. Estou muito feliz e quero continuar assim?, completa.

Conteúdos Relacionados

Rolar para cima