Paraí Informática: inovação e resultados surpreendentes

Como a Paraí Informática mudou o mercado de reciclagem de cartuchos de tinta O engenheiro Luciano Piquet sempre foi inventivo. Durante 20 anos, trabalhou como funcionário público do na Paraíba, no setor de indústria e comércio. Enquanto isso, conciliava atividades paralelas ao serviço público: desenvolvia programas e planilhas para folhas de pagamento de jornais e empresas.

Em 1996, abriu uma pequena assistência técnica de computadores para complementar a renda doméstica. Dois anos depois, começou a vender cartuchos reciclados. O filho de Luciano, Bruno Garcia ? gerente industrial da Paraí ?, aponta: ?Os cartuchos sempre voltavam com vazamentos ou entupidos, pois eram cheios por injeção de tinta, o que deixava bolhas de ar dentro deles, provocando falhas?. Luciano viu no problema a oportunidade bater à porta: ?Sem conhecimento algum de como esse trabalho era feito e apenas com instrumentos artesanais, ele começou a desenvolver uma técnica que utilizava o vácuo?, conta Bruno.

Desenvolvimento
Pouco tempo depois, Luciano chegou a resultados positivos: ?A coisa começou a funcionar, e percebemos que o resultado era interessante. Além do mais, a qualidade do cartucho era superior ao do que comprávamos e revendíamos?. A família passou a vender os cartuchos com a tinta colocada pelo processo que eles mesmos haviam criado, primeiramente em João Pessoa, PB. Ao saber da inovação, Luciano fez a proteção da tecnologia com o registro de patente. Os cartuchos passaram a vender bem, e logo veio outra idéia: por que não fabricar as máquinas para que outras pessoas possam vender os cartuchos remanufaturados?

Em maio de 1999, as máquinas começaram a ser vendidas por todo o País. ?Todas as máquinas que existiam no Brasil eram importadas e custavam cerca de 16 mil dólares. Já as nossas começaram a ser vendidas por cinco mil reais. A partir dessa iniciativa, colocamos no mercado pessoas que não tinham condições de arcar com o custo do equipamento.? A idéia da família paraibana ajudou milhares de pequenos negócios a prosperar e barateou o custo do cartucho remanufaturado para o consumidor. ?O cartucho das grandes empresas custava muito caro, cerca de 120 reais, e passamos a vendê-lo por 40 reais.?

Paraí Internacional
A loja que era pequena é, agora, a maior loja de cartuchos reciclados da Paraíba. ?Na época, tínhamos um produto que apresentava um custo-benefício espetacular. Graças à internet conseguimos atingir o Brasil inteiro.? A empresa está presente em 58 países. ?Nós temos no mercado externo quatro grandes concorrentes: dois nos Estados Unidos e dois na Europa, mas desses quatro, três trabalham com o preço dos equipamentos maior do que os nossos. O concorrente que tem uma faixa de preço similar é da Turquia. Porém, nenhum deles trabalha com a tecnologia à vácuo. Estamos bem localizados no mercado externo?, diz Bruno. A família não revela quanto fatura, no entanto dá uma dica: ?Nossa evolução patrimonial foi de 2800%?.

Novas ações
Vender maquinários exige um intenso pós-venda. Como oferece um produto que necessita de habilidades para ser manuseado, a Paraí disponibiliza treinamento e acompanhamento rigorosos na implantação do novo negócio.

Há um compromisso fixo na Paraí: a cada seis meses Luciano desenvolve uma nova máquina. Sobre inovação, Bruno diz: ?Para nós, a inovação não está só no produto. Precisamos inovar também no serviço, no atendimento ao cliente e no pós-venda. Muita gente entra no mercado e não sabe inovar. Estão sempre obcecados por inventar um produto, quando na verdade o serviço pode ser inovador, pode haver características de pós-venda inovadoras e um serviço agregado ao produto?.

3 dicas da Paraí Informática

&raquo Enxergue os problemas como oportunidades.
&raquo Invista na internet para ganhar visibilidade e como canal de vendas.
&raquo Inove no serviço, produto, atendimento ao cliente e pós-venda.

Conteúdos Relacionados

Dica número 1 de liderança em vendas

Volta e meia recebo perguntas como esta: “Raul, se você pudesse me dar só uma dica sobre como ser um gestor melhor, qual seria?”

Procuro evitar responder questionamentos como este porque eles costumam vir de alguém que está procurando um atalho ou uma pílula mágica, mas a verdade é que sempre existe mais de uma opção para resolver um problema ou desafio – por isso mesmo, buscar uma única ferramenta milagrosa raramente traz os melhores resultados.

Continuar lendo
Rolar para cima