Sites de vendas aqueceram o Natal de 2001

O Natal de 2001, com certeza, foi diferente de todos os Natais anteriores. O interesse por sites especializados em vendas pela Internet elevaram ainda mais as vendas em função da comodidade do sistema e dividiu os números com o comércio tradicional em um período já consagrado pelos comerciantes e lojistas em geral. O Natal de 2001, com certeza, foi diferente de todos os Natais anteriores. O interesse por sites especializados em vendas pela Internet elevaram ainda mais as vendas em função da comodidade do sistema e dividiu os números com o comércio tradicional em um período já consagrado pelos comerciantes e lojistas em geral.

A cada dia, os sites de e-commerce incrementam seu mix de produtos oferecidos, facilitando a vida dos clientes que podem encontrar produtos e serviços de todos os gêneros e utilidades nas lojas virtuais. A constante melhora na qualidade do atendimento e aprimoramento no sistema fazem aumentar consideravelmente o número de acessos a estas páginas especializadas em vendas.

Uma pesquisa realizada pelo IBOPE já apontava antes mesmo deste Natal um incremento de 100% nas vendas online em relação ao mesmo período do ano passado. Apesar dos e-consumidores serem sensíveis à percepção de que o Brasil está passando por uma crise econômica, muitos que já haviam realizado compras virtuais em 2000 voltaram a efetuá-las em 2001, sem contar os novos adeptos.

E mais, segundo José Virgílio Braguetto, diretor da OmniMídia, uma empresa especializada em desenvolvimento de sistemas multimídia e sites de compras, a estimativa é que o balanço final do número de e-consumidores que compraram online neste ano, estudo ainda não revelado pelos institutos de pesquisa até o momento, deverá ser acrescido aproximadamente em 40%, o que demonstra aumento de confiança nas transações virtuais.

A pesquisa IBOPE mostra também que a cada três brasileiros que usam a rede, um utiliza os sites de e-commerce (lojas, shoppings e leilões). Mesmo que não estejam comprando, o simples fato de estarem navegando por estes canais os aproxima de uma compra futura.

Na opinião de Braghetto, uma das tarefas futuras mais importantes para os “e-comerciantes” é aumentar o número de visitas médias de cada usuário. “As chances de concretização de novos negócios aumentam quando as visitas aos sites de comércio eletrônico tornam-se um hábito”, comenta o especialista.

“Mesmo que o cliente não queira comprar naquele momento, é fundamental habituá-lo a visitar com mais constância os canais ligados ao varejo. Navegar pelas páginas de e-commerce deve ser uma tarefa simples, agradável e informativa e é isso que as empresas especializadas em desenvolvimento em comércio eletrônico já planejam para incrementar ainda mais a venda de seus clientes em 2002. A palavra-chave é acessibilidade e conveniência”, comenta Braghetto.

Conteúdos Relacionados

Rolar para cima