Uma nova forma de dependência

De repente você sente vontade de conversar. Liga o computador, conecta-se à Internet e pronto. Começa a falar com várias pessoas em uma sala de bate-papo. Identifica-se através de um ?nick? (apelido), e começa a troca de mensagens e, é claro, os envolvimentos. Quem não interessa é ignorado, sem constrangimento ? o que na vida real já não seria tão fácil. De repente você sente vontade de conversar. Liga o computador, conecta-se à Internet e pronto. Começa a falar com várias pessoas em uma sala de bate-papo. Identifica-se através de um ?nick? (apelido), e começa a troca de mensagens e, é claro, os envolvimentos. Quem não interessa é ignorado, sem constrangimento ? o que na vida real já não seria tão fácil. As conversas são cativantes. Sobre qualquer assunto. E podem ficar tão interessantes que atravessam a noite sem que os envolvidos notem.

Que efeitos e que conseqüências essa prática de navegar, bater papo e relacionar-se no mundo virtual causa na mente humana? Inconscientemente, ocorre um processo de transferência de realidade ? a mente começa a produzir e gerar mais satisfação do que o mundo real. Num processo gradativo e rápido, a dependência já está instalada. E gera dissabores como dispersão de raciocínio, ausência de seletividade (quem parece agradável é aceito independentemente de quem seja), procrastinação de outras tarefas; irregularidade nos horários, problemas de relacionamento com as pessoas do mundo real, além de efeitos colaterais como irritabilidade, insônia, dores na coluna, perda de apetite sexual, sonolência, obesidade, vista cansada e irritada, aumento inconsciente da agressividade, e o que é pior, uma tendência crescente ao isolamento.

Para se prevenir e evitar essas conseqüências é importante tomar alguns cuidados:

· Faça um mapa de atividades para uma auto-avaliação sobre o tempo dedicado ao mundo virtual. O saudável é que o real seja sempre maior que o virtual.

· Controle-se, não caia na rotina de ligar o micro como atividade prioritária.

· Não abra mão do senso de julgamento e seletividade, por mais sedutor que seja o ?papo? da outra pessoa. Não se empolgue para não se decepcionar.

Fazer terapia ajuda, pois quem está com o problema custa a admitir seu estado. Além do que, na terapia, há a oportunidade de identificar todos os fatores que impedem de se ter uma vida plena, equilibrada e feliz.

Frase: ?Nós podemos tomar por companhia a fantasia, mas se deve ter como guia a razão? ? Samuel Johnson

Prof. Rafael Angelo Abud é diretor da Sociedade de Psicanálise Transcendental e psicanalista, especializado em relacionamentos pela internet. E-mail: [email protected]om.

Conteúdos Relacionados

Dica número 1 de liderança em vendas

Volta e meia recebo perguntas como esta: “Raul, se você pudesse me dar só uma dica sobre como ser um gestor melhor, qual seria?”

Procuro evitar responder questionamentos como este porque eles costumam vir de alguém que está procurando um atalho ou uma pílula mágica, mas a verdade é que sempre existe mais de uma opção para resolver um problema ou desafio – por isso mesmo, buscar uma única ferramenta milagrosa raramente traz os melhores resultados.

Continuar lendo
Rolar para cima