Vender muito nem sempre é sucesso

Na ânsia de atingir metas exageradas, termina-se perdendo clientes pela falta de qualidade nas vendas, serviços e atendimento. No mundo das vendas, seja de produtos ou serviços, o objetivo é conquistar clientes e vender cada vez mais. Mas nem sempre vender muito significa sucesso, pois na ânsia de atingir metas exageradas, termina-se perdendo clientes pela falta de qualidade nas vendas, serviços e atendimento. Pois uma venda só tem qualidade quando as necessidades dos clientes são plenamente satisfeitas, mas isso nem sempre ocorre.

Vender bem não significa simplesmente fazer com que o produto saia da loja para o cliente. Mas sim fazer com que ele volte a comprar sempre que precisar e também que faça indicações da empresa para seus amigos, por ter tido êxito nas relações comerciais. O cliente tem de estar satisfeito com os produtos adquiridos, condições de negociação e atendimento. A satisfação só acontece quando a empresa vende ao cliente produtos que sejam úteis e benéficos, atendendo realmente às suas necessidades.

Assisti a uma palestra do consultor Juedir Teixeira, em que ele mostrou a importância da conjugação dos seis verbos do círculo virtual do varejo com o objetivo de fazer vendas de qualidade, conquistar e fidelizar clientes. Quais são esses verbos? Veja: passar, olhar, parar, entrar, comprar e voltar. Realmente, são importantíssimos e devem ser muito bem conjugados, mas na prática isso nem sempre acontece. Vale a pena tecer algumas considerações sobre eles.

Com base no que vemos no dia-a-dia do varejo, podemos dividir esses verbos em dois grupos. No primeiro grupo estão: passar, olhar, parar e entrar. No segundo grupo: comprar e voltar. Mas por que essa divisão? Porque passar e entrar na loja não é tão complicado, pois se há um bom acesso, boa visibilidade, uma vitrine bonita e chamativa, um ambiente agradável e confortável, o cliente terá curiosidade em conhecê-la e fazer negócio. Mas nem sempre ele compra, pois cliente dentro da loja não significa garantia de venda.

A complicação maior está na conjugação dos verbos do segundo grupo, porque exigem mais esforço, preparação e atitude que, muitas vezes, ficam em segundo plano por grande parte dos vendedores. Conjugar os verbos ?comprar e voltar? não é tarefa para qualquer um, estando aí a grande diferença entre os profissionais que fazem bons volumes de vendas (com qualidade) e os vendedores comuns.

Em que consiste a maior dificuldade para o verbo ?comprar?? Como a venda é um processo que vai da abordagem ao fechamento, para que haja êxito é necessário começar certo, mas isso nem sempre ocorre. Dois grandes erros são cometidos logo no início do processo. O primeiro está na abordagem feita por muitos vendedores, com as velhas e desgastadas perguntas: ?Deseja alguma coisa??, ?posso ajudar??. As respostas dos clientes já são bastante conhecidas, mas muitos profissionais ainda não perceberam e por isso perdem vendas, já que uma má abordagem significa colocar o cliente para fora da loja.

O segundo erro está em querer adivinhar as necessidades ou os desejos do cliente, quando é tão simples perguntar o ele quer. Infelizmente, muitos vendedores falham ao insistir na apresentação do produto sem antes fazerem uma boa sondagem. Muitos não estimulam o cliente a falar, a fim de externar seus problemas e necessidades. A conseqüência é uma série de objeções e perda de vendas.

Há um ditado popular sobre vendedores que diz: ?Muita gente tem sido presa por ter feito uma declaração, mas até hoje ninguém foi preso por ter feito perguntas?. Então, pergunte, pergunte e pergunte. Pois com esses dois passos iniciais errados, não haverá continuidade no processo da venda.

Na conjugação do verbo ?voltar?, três fatores são fundamentais:
1. O atendimento durante a venda foi de excelente qualidade?
2. O produto satisfez plenamente às necessidades do cliente?
3. Como obter essas respostas? Nada melhor do que um bom trabalho de pós-venda para que o círculo virtual do varejo continue sempre em evolução e nunca sofra solução de continuidade.

Muitas empresas ainda são alérgicas ao pós-venda, mas não percebem quanto perdem por não se vacinarem contra esse mal. Quando pergunto nas visitas e treinamentos de vendas se as empresas fazem pós-venda, predominam duas respostas: grande parte não faz; outras fazem mais ou menos. Ora, pós-venda meia-sola é o mesmo que nada. Parece que há medo de perguntar ao cliente sobre o desempenho de suas empresas. Talvez pelo receio de que ele queira somente preço, prazo e paciência, quando na realidade ele quer coisas bem mais simples, principalmente, satisfação e sucesso, ficando o preço em quarto ou quinto lugar. O seu cliente também faz aniversário e gosta de ser lembrado. Faça um teste e veja o que acontece.

Conteúdos Relacionados

Dica número 1 de liderança em vendas

Volta e meia recebo perguntas como esta: “Raul, se você pudesse me dar só uma dica sobre como ser um gestor melhor, qual seria?”

Procuro evitar responder questionamentos como este porque eles costumam vir de alguém que está procurando um atalho ou uma pílula mágica, mas a verdade é que sempre existe mais de uma opção para resolver um problema ou desafio – por isso mesmo, buscar uma única ferramenta milagrosa raramente traz os melhores resultados.

Continuar lendo
Rolar para cima